sábado, dezembro 31, 2011

quinta-feira, dezembro 29, 2011

David e seu Valiant fazendo uma pontinha safada





Lançado em DVD no Brasil pela California Filmes

References
Duel (1971) (TV)
- The main character's name is Tom Weaver... same last name as Duel's main actor. A pickup truck in the garage has "GREBLIEPS PAINTING" written on it. Greblieps is Spielberg spelled backwards. Early in the movie we can see somebody who looks just like Dennis Weaver driving by in a red Valiant, the same car that Weaver drives in "Duel". The black car is very similar to Duel's truck (massive, black windows, you can't see the driver, etc.)

terça-feira, dezembro 27, 2011

Entrevista com Walter Ruether (SCARLET FRY'S JUNKFOOD HORRORFEST)


Voltamos das festividades natalinas dando mais espaço para cinema de gênero independente. Bati um papo com Walter Ruether, realizador de três antologias de horror de baixíssimo orçamento apresentadas pelo próprio como um demente “Horror Host” chamado Scarlet Fry. HORRORAMA saiu em 1990, JUNKFOOD HORRORFEST em 2007 e NIGHTMARE ALLEY no ano de 2010. Ruether hoje trabalha em mais uma de suas antologias, SCREAM MACHINE, que deve ser finalizada e lançada em 2012. Ele também é vice-presidente de aquisições para a nova distribuidora Chemical Burn, que tem lançado uma série de pequenos filmes de interesse aos fãs do horror e exploitation. Confiram abaixo o que Ruether tem a dizer aos leitores do blog sobre seus filmes e o cenário atual do horror independente.

VeV - Quais são as suas maiores influências no cinema de horror?

Minhas maiores influências em filmes de terror são variadas e não tenho certeza se elas são refletidas desta maneira em meus filmes. Creio que podemos notar uma enorme influência que Herschell Gordon Lewis tem em meus filmes, John Waters também. Os meus dois primeiros filmes são bem ruins, mas também são divertidos de assistir e isso é o que eu tendo a amar em relação ao gênero antes de Hollywood se aproveitar dele. Eu pessoalmente amo os filmes da Hammer, Amicus e quase tudo com o Vincent Price. Também gosto de gente como Paul Naschy, Fulci, Argento, Ted V. Mikels, Frank Hennenlotter... cara, a lista de nomes só cresce. (risos)


VeV - A primeira aparição de Scarlet Fry foi em HORRORAMA. Como o personagem do apresentador foi criado?
O engraçado é que Scarlet Fry definitivamente vem dos antigos "horror hosts" que eu tinha o costume de ver na TV durante os anos 70 como Svengoolie, Zacherly, todos esses apresentadores das antigas de "shock theater" e acredite se quiser, sempre fui um puta fã do Alice Cooper então tem muito disso aí misturado também. Talvez deve ser por isso que sou tão incompreendido? hmmmm?

VeV - Desde HORRORAMA, você fez mais duas antologias de horror (JUNKFOOD HORRORFEST, NIGHTMARE ALLEY) e agora está trabalhando em uma nova intitulada SCREAM MACHINE. Nota-se um pequeno reterno delas com os seus filmes, DEAD THINGS de DT Carney e o brasileiro NEVERMORE. O que você pensa sobre o estilo voltar a ganhar alguma atenção dos realizadores e fãs de horror?
Essa é uma questão complicada. Penso que os fãs de horror estão mais esnobes do que nos velhos tempos. A gente tinha capacidade de lucrar mais, os padrões estão muito altos agora, qualquer um pode fazer um filme hoje e o equipamento é tão avançado que você tem garotos fazendo filmes visualmente bem feitos e existem muitos deles sendo realizados. Enquanto isso, o mercado para esses filmes está secando, estamos na beira de uma enorme mudança na mídia. Creio que os dias do DVD estão contados e logo logo veremos tudo através de streaming online, eu não estou animado pela chegada deste dia. Então eu digo que mais filmes deveriam ser assistidos pelo entretenimento, não pela arte, se é que isso faz algum sentido. Todo mundo pode ser um critico. Divirtam-se, essa é a minha filosofia. O horror nada mais é que o punk rock da indústria do cinema, nós temos muitos fãs de The Smiths por aí hahahaha. Sem ofensas.

NE: Walter sabia que eu gosto de The Smiths... (risos)


(da esquerda para a direita, JUNKFOOD HORRORFEST, HORRORAMA e NIGHTMARE ALLEY)


VeV - Por quê Scarlet Fry parece ser um personagem diferente em cada uma de suas antologias?
Queria brincar com a idéia de que Scarlet Fry poderia ser qualquer um. Eu o deixo ter a sua própria personalidade, isso é o que é tão assustador a seu respeito. Não faço idéia quando Scarlet e o meu Eu real começam. Desde que criei o personagem, me vejo vestido de drag e inalando pimenta chili. O que diabos está errado comigo?

Em HORRORAMA, o apresentador era mais tradicional, com um visual como o Alice Cooper dos velhos tempos. Daí tivemos o caipira cheirador de pimenta chili (em JUNKFOOD HORRORFEST). Então voltamos ao tradicional (em NIGHTMARE ALLEY). Desta vez (em SCREAM MACHINE), Scarlet tira uma folga, estamos fazendo uma antologia mais séria que será minha homenagem a Amicus e a Hammer com muito gore e humor. Será interessante, tenho a melhor equipe que já consegui reunir e estou muito excitado!

VeV - O que você fez entre HORRORAMA e JUNKFOOD HORRORFEST?
Entre HORRORAMA e JUNKFOOD eu apareci em diversos filmes de gênero como GROSS OUT, dos produtores de JANTAR SANGRENTO, SATAN'S STORYBOOK com Ginger Lynn. Fiz um filme com Tuesday Knight de A HORA DO PESADELO IV. Também fiz muita figuração em Hollywood e alguns curtas que não foram para lugar nenhum. Mas nunca deixei a indústria, trabalhei para a Camp Video nos anos 80, posso dizer que tenho uma longa história no horror.

VeV - Tenho certeza que foi difícil encontrar um distribuidor para HORRORAMA, já que ele tinha apenas 30 minutos de duração. JUNKFOOD HORRORFEST conseguiu um bom lançamento recente através da Chemical Burn. O que você pensa da distribuição de filmes de gênero independentes hoje?

Se JUNKFOOD e NIGHTMARE ALLEY fossem realizados nos anos 80 e conseguissem distribuição em VHS, hoje eu seria um cara rico. Se você conseguir vender mil cópias nos tempos atuais, você é um cara de sorte.

JUNKFOOD foi lançado primeiramente sem extras em um pack com 50 outros filmes de terror. Desta vez, temos a versão do diretor com cenas deletadas, erros de gravação com Calico Cooper e mais dois filmes apresentados por mim, CARNIVAL OF SOULS e HORRORAMA. Uma senhora edição especial.

VeV - Como foi trabalhar com Calico Cooper (filha de Alice) em JUNKFOOD HORRORFEST?
Foi muito divertido, ela é bem profissional. Tive medo de que ela caísse no beco onde filmamos a sua participação, tinha muito vidro lá e Alice me mataria. Mas Sheryl – esposa de Alice e mãe de Calico – estava no set e ela só fazia rir, daí pensei “Nossa, esse pessoal é mais louco do que eu. Isso é demais!” Gostaria de trabalhar com Calico novamente, mas não é tão fácil hoje, eu a tive no início de sua carreira como atriz.

VeV - Já que agora você também está trabalhando para a Chemical Burn, como VP de aquisições, poderíamos saber quais são os requisitos básicos para um filme que poderia interessar à distribuidora?

Sim, nós procuramos por filmes de gênero interessantes que tragam algo de novo e óbvio, qualidade. Todo mundo pode fazer um filme hoje, não estamos procurando por filmes classe C (risos). Um filme com boa estória, bem filmado, bons atores é tudo o que você precisa. E gore, claro.

VeV - Como é o retorno do público em relação aos filmes lançados?
O público é sensacional. Somos muito gratos a todos os fãs do cinema de horror.

VeV - Walter, sinta-se à vontade e deixe um recado para os amigos brasileiros e fãs do gênero que estão lendo a entrevista.

Por favor, confira os meus filmes. Eles são divertidos, apenas querem ser grosseiros e fazer você rir. Obrigado.


Agradecemos a Walter Ruether pelo tempo concedido para a entrevista

sábado, dezembro 24, 2011

Feliz Natal!

MY NAME IS KRIS KINGLE (2011)

Primeiro teaser de THE PENNY DREADFUL PICTURE SHOW - VOL. 1



Four chilling tales of terror, hosted by the ghoulishly sassy Penny Dreadful

Slash-In-The-Box: Written and Directed by Nick Everhart
The Scout: Written and Directed by Nick Everhart
The Slaughter House: Written and Directed by Leigh Scott
The Morning After: Written and Directed by Eliza Swenson

LUA PERVERSA - WEBSÉRIE COMPLETA







http://escriturasdaluacheia.blogspot.com

quinta-feira, dezembro 08, 2011

OS VENCEDORES DO 6º CINEFANTASY


LONGAS METRAGENS

Troféu "Corpo Seco Dourado"
MELHOR LONGA POR JURI POPULAR
ALUCARDOS – RETRATO DE UM VAMPIRO (Doc, Horror, México, 2010)
Direção: Ulises Guzmán

MELHOR LONGA HORROR
MALDITOS SEAN! (Ficção, Fantasia/Horror/Ficção-Científica, Argentina, 2011)
Direção: Demian Rugna e Fabian Forte

MELHOR LONGA FICÇÃO CIENTIFICA
DIE FARBE (Ficção, Horror, Alemanha, 2010)
Direção: Huan Vu

MELHOR LONGA FANTASIA
KROKODYLE (Ficção, Fantasia, Itália, 2010)
Direção: Stefano Bessoni

MELHOR LONGA DIREÇÃO
ALUCARDOS – RETRATO DE UM VAMPIRO (Doc, Horror, México, 2010)
Direção: Ulises Guzmán

MELHOR LONGA ROTEIRO
HAROLD’S GOING STIFF (Ficção, horror, Grã-Bretanha, 2010)
Direção e Roteiro: Keith Wright

MELHOR LONGA TRILHA SONORA
O GURI (Ficção, Fantasia, Brasil, 2011)
Direção: Zeca Brito
Trilha Sonora: Luiz Felipe Damiani

MELHOR LONGA MAQUIAGEM / EFEITOS
A DAY OF VIOLENCE (Ficção, Horror, Reino Unido, 2010)
Direção: Darren Ward
Efeitos/Maquiagem: Cesar Alonso, Stuart Browne, Scott Orr, Alastair Vardy

MELHOR LONGA CRIATURA
A NOITE DO CHUPACABRAS (Ficção, Horror, Brasil, 2011)
Direção: Rodrigo Aragão
Walderrama dos Santos – Chupacabras


MELHOR LONGA VÍTIMA
MALDITOS SEAN! (Ficção, Fantasia/Horror/Ficção-Científica, Argentina, 2011)
Direção: Demian Rugna e Fabian Forte
O Delegado

MELHOR LONGA VILÃO
MALDITOS SEAN! (Ficção, Fantasia/Horror/Ficção-Científica, Argentina, 2011)
Direção: Demian Rugna e Fabian Forte
Os Anões

CURTAS METRAGENS

MELHOR CURTA POR JURI POPULAR
BUNNY THE KILLER THING (Ficção, horror, Finlândia, 2011)
Direção: Joonas Makkonen


MELHOR CURTA HORROR
WILT (Ficção, horror, Alemanha, 2011)
Direção: Daniel Vogelmann

MELHOR CURTA FICÇÃO CIENTIFICA
DECAPODA SHOCK (Ficção, ficção científica, Espanha, 2011)
Direção: Javier Chillon

MELHOR CURTA FANTASIA
EMPLOYEE OF THE MONTH ( Ficção, fantasia, Suíça, 2011)
Direção: Olivier Beguin

MELHOR CURTA ANIMAÇÃO


THE BACKWATER GOSPEL
(Animação, ficção científica, Dinamarca, 2011)
Direção: Bo Mathorne

MELHOR CURTA DIREÇÃO
WILT (Ficção, horror, Alemanha, 2011)
Direção: Daniel Vogelmann

MELHOR CURTA ROTEIRO
WILT (Ficção, horror, Alemanha, 2011)
Direção: Daniel Vogelmann
Roteiro: Lukas Becker, Mathias Brod, Daniel Vogelmann

MELHOR CURTA TRILHA SONORA
Y VOLVERÉ… (Ficção, horror, México, 2010)
Direção: Edgar Nito
Trilha Sonora: Los Bunkers, Twin Tones

MELHOR CURTA MAQUIAGEM
BRUTAL RELAX (Ficção, horror, Espanha, 2010)
Direção: Adrián Cardona, Rafa Dengrá e David Muñoz

MELHOR CURTA EFEITOS
EMPLOYEE OF THE MONTH ( Ficção, fantasia, Suíça, 2011)
Direção: Olivier Beguin

MELHOR CURTA CRIATURA
BUNNY THE KILLER THING (Ficção, horror, Finlândia, 2011)
Direção: Joonas Makkonen
Matti Kiviniemi – Bunny the Killer Thing

MELHOR CURTA VÍTIMA
AMY’S IN THE ATTIC (Ficção, horror, Canadá, 2011)
Direção: Matthew Saliba
Kayden Rose – Amy

MELHOR CURTA VILÃO
LAVAGEM(Ficção, horror, Brasil, 2010)
Direção: Shiko
O Pastor

PRÊMIO ESTÍMULO AMADOR
VELHO MUNDO (Ficção, fantasia, Brasil, 2010)
Direção: Armando Fonseca

PRÊMIO ESTÍMULO ESTUDANTE
DUAS VIDAS PARA ANTONIO ESPINOSA (Ficção, fantasia, Brasil, 2011)
Direção: Caio D’Andrea e Rodrigo Fonseca

MENÇÃO HONROSA REVELAÇÃO
EU & A LOIRA (Ficção, fantasia, Brasil, 2011)
Direção: Lucas Calmon

PRÊMIO ESPECIAL DESAFIO MESTRE DOS GRITOS

NEGATIVE IMAGE (Ficção, Horror, Reino Unido, 2011)
Direção: Karl Holt

quinta-feira, dezembro 01, 2011

Ken Russell (1927-2011)




Obrigado

Lançamento do livro "VIDA É JOGO! Ensaios de História, Cinema e Esporte"

São tantas emoções... no mês de novembro, tivemos o lançamento do livro "VIDA É JOGO! Ensaios de História, Cinema e Esporte". Nele, podem ser encontrados um artigo do amigo Cesar Almeida sobre Rollerball (1975) e outro sobre Rocky IV (1985), escrito por mim. Ele pode ser adquirido pela editora Suliani ou através do organizador Rafael Quinsani (rafarhq@yahoo.com.br). É o primeiro livro lançado com um texto de minha autoria, posso dizer que estou muito feliz por esse acontecimento. Tudo indica que ele também estará disponível para todo o Brasil na Livraria Cultura.

Espero que vocês apreciem a leitura. Muito obrigado!

VIDA É JOGO!
Ensaios de História, Cinema e Esporte.


Cesar Augusto Barcellos Guazzelli
Charles Sidarta Machado Domingos
José Orestes Beck
Rafael Hansen Quinsani
(orgs)

Abaixo os capítulos e autores:

Prefácio
Humanos e(m) seus jogos: brincando de lutar pela vida
Cesar Augusto Barcellos Guazzelli

A Barbárie anda a Cavalo: estepes, correrias e sangue!
Cesar Augusto Barcellos Guazzelli

Guerra Fria e Rocky Balboa: a ideologia e o golpe em uma era
Charles Sidarta Machado Domingos

Rocky IV, Boxe e a Guerra Fria
Fatimarlei Lunardelli

O Caminho para Berna passou por Kiev: Queda e Ascensão da Deutsch Nationalmannschaft Fussball
Gerson Wasen Fraga
Cesar Augusto Barcellos Guazzelli

A classe operária “não” vai ao paraíso: Ken Loach procurando Eric no mundo globalizado
Rafael Hansen Quinsani

El camino de San Diego: futebol, identidade e cultura popular
Álvaro Antonio Klafke

O futebol como pretexto
Arlei Sander Damo

“Quanto dinheiro há aqui?”
Nilza Silva

“Homens Brancos não Sabem Enterrar”: Raça, Classe e Esportes no Cinema Estadunidense
Walter Günther Rodrigues Lippold

Carruagens de Fogo: o nacionalismo esportivo do entre - guerras
Carla Brandalise

Paris exige cavalheirismo: contradições do esporte moderno em Carruagens de Fogo
Miguel Enrique Stédile

Decifrando os Códigos de Munique, de Steven Spielberb
Diorge Alceno Konrad

África do Sul: Racismo e Resistência
Jeferson Garcia
Luiz Dario Teixeira Ribeiro

Gladiadores do futuro ou o futuro dos gladiadores? Jogo, Espetáculo e Morte no Rollerball
José Orestes Beck e Cesar Augusto Barcellos Guazzelli

Posfácio
Cinema: representações de mulheres na modernidade
Jaqueline Alves de Moraes

Extras

Fichas Técnicas dos Filmes

John Frankenheimer: um transgressor esquecido?
Rafael Hansen Quinsani

Rocky IV (1985): Estados Unidos vs. União Soviética em um ringue de boxe
Osvaldo Neto

A família milagrosa de Berna
Fagner dos Santos

O caminho de San Diego e a Odisséia de Benítez
Gerson Wasen Fraga

Um olhar sobre o basquete
Cristiano Goulart Borges

Porto Alegre e o Esporte: Civilização e Independência nos anos da Guerra Fria
Charles Sidarta Machado Domingos

MUNIQUE
Adriana Dorfman

Contexto Sul-Africano e a Copa do Mundo de Rugby de 1995
Rafael Belló Klein

Eric Cantona: de “l’enfant terrible” a rei de Old Trafford
Rafael Belló Klein

Gladiadores de ontem, hoje e amanhã
César Almeida