terça-feira, outubro 21, 2008

Mais poliziesco!!

Depois de me recuperar do nocaute que levei do Liam Neeson, aqui estou eu de volta.


Se eu fosse escolher um título para "inaugurar" algum amigo(a) no estilo, seria THE BIG RACKET. Enzo G. Castellari detona outra vez. Fabio Testi interpreta o típico protagonista casca grossa nesse filme que trabalha com maestria elementos de DIRTY HARRY, DESEJO DE MATAR e lá perto do final... de OS DOZE CONDENADOS e MEU ÓDIO SERÁ A SUA HERANÇA. Sentiu o drama? A gente percebe limitações do orçamento como alguns ferimentos à bala não convincentes (saca paintball? hehe), mas isso não diminui em nada a sua brutalidade e a excelência dos tiroteios orquestrados por Castellari. No trailer, há uma pequena parte daquela que deve ser a cena mais impressionante: Fabio Testi se ferrando legal dentro do carro quando este é jogado num precipício com ele dentro! É tão realista que a gente fica até com pena do ator!!

Poliziescos costumam ter ótimos elencos e THE BIG RACKET não é exceção à regra. Aqui temos Vincent Gardenia (do já citado DESEJO DE MATAR e sua continuação) e os três atores que faziam os irmãos de Franco Nero em KEOMA: Joshua Sinclair como o líder almofadinha dos marginais, Tony Marsina como um advogado dos bandidos e Orso Maria Guerrini como um campeão de tiro que terá uma importante participação na trama. Quem curte um filmaço policial, ficará satisfeito com folgas.



Eu gosto muito do MILANO ROVENTE pelo grau de insanidade que Umberto Lenzi atingiu com ele. O filme é um "policial exploitation" repleto de mortes violentas, mulheres nuas levando porrada e Antonio Sabato dando vida a um dos mais imorais personagens do poliziesco. Aqui, Lenzi está bem mais quietinho e mesmo assim, faz um filme tão bom quanto o outro. THE CYNIC, THE RAT AND THE FIST tem o seu foco nos personagens de Maurizio Merli, Tomas Milian e John Saxon. Merli, claro, é o tira invocado, enquanto Milian e Saxon são os dois chefões do crime que entram em guerra, aumentando ainda mais a violência das ruas de Roma.

Lenzi não desaponta e entrega o que a gente quer mesmo ver: tiroteio, porrada e o trio parada dura se esbaldando com um punhado de ótimas cenas e diálogos escritos pelo próprio diretor em parceria com Ernesto Gastaldi e Dardano Sacchetti. Quem acompanhou com atenção alguns títulos dos tempos de ouro do cinema popular italiano verá que Gastaldi e Sacchetti tem uma importância que muitas vezes não é reconhecida. Assim como os diretores para quem trabalharam, eles tiveram os seus maus momentos, mas penso que a boa produção deles carece de um pouco mais atenção entre os fãs do período. No elenco, a sempre curiosa presença de Robert Hundar, outro grande cara que partiu cedo demais em 2008.

PS: Ainda quer ler mais sobre poliziesco? Então visite o FILMES PARA DOIDOS clicando aqui para ler a opinião do 'ragazzo' Felipe M. Guerra sobre uma coisa linda chamada POLIZIOTTI VIOLENTI, também comentada no blog ainda este mês.

Nenhum comentário: