sábado, novembro 03, 2007

1º ZOMBIE WALK RECIFE foi um sucesso!

Eu sou o de camisa preta, da banda Ramones, à direita da foto. Pena que eles tiraram ela logo quando eu não estava fazendo careta hehehe. Seguem abaixo uma matéria (que tirando umas frescurinhas, ficaria bem melhor) e um vídeo sobre o evento.

“Zumbis” invadem o Centro do Recife
Publicado em 03.11.2007

“Mortos-vivos” desfilaram pela Conde da Boa Vista, ontem, na primeira manifestação no Estado do movimento Zombie Walk. Evento reúne gente fantasiada para sair às ruas. Teve até zumbi sem-terra.

Schneider Carpeggiani

carpeggiani@gmail.com

É impossível não lançar mão do trocadilho: quem é vivo sempre aparece, mas quem é morto (às vezes) desfila. E os mortos-vivos desfilaram pela Conde da Boa Vista, ontem à tarde, na primeira versão recifense do Zombie Walk em pleno Dia de Finados (nada mais apropriado). A idéia é simples: reunir um monte de gente para sair às ruas fantasiada de zumbi. E qual a razão dessa inusitada caminhada? Estar morto teria alguma função, hummm, social?

“Claro que não, zumbi não tem função. É mais ou menos quando você acorda de manhã, não sabe o que está acontecendo, mas precisa levantar”, “filosofa” Leonardo Lima, um dos organizadores do evento. Cerca de 100 zumbis bateram ponto no evento.

A concentração da Zombie Walk rolou na Praça do Derby, onde os “novos” mortos tiveram como dar um trato no visual e “retocar” o vermelho dos “ferimentos”, num salão de beleza às avessas. A animação do evento era feita pela caixa de som de uma bicicleta(!), a byke som, que tocava de tudo um pouco: variações do metal, Marylin Manson e versões de Madonna. Os zumbis teriam alguma trilha sonora específica? “Eu estou aqui porque eu gosto de rock alternativo. A gente escuta tudo, não tem preconceito. Aqui somos diferentes dos punks de São Paulo, que são violentos. Nossa idéia de alternativo é diversão”, defendeu o “movimento” Rodrigo “Sushi”, 16 anos, estudante, DJ e, segundo o próprio, “também sou emo, pode colocar aí”.

No mundo dos zumbis, vale de tudo. Até manifestação política. Foi o caso de Carlos Henrique, que alegou “106” anos de morte e foi fantasiado de MST, com uma foto do presidente Lula na camisa. “Sou do MST até a morte”, confundiu-se o “manifestante” que, ideologicamente na tarde de ontem, morto já estava.

O designer e jornalista Eduardo Sampaio, 24 anos, é o criador da comunidade Zombie Walk do Recife no Orkut. “A Zombie Walk surgiu no Canadá. Em qualquer dia a gente pode sair de morto pelas ruas”, explicou esse über morto-vivo.

A Zombie Walk seguiu pela Boa Vista, parou carros, ônibus e transeuntes e seguiu até o Marco Zero. O auge foi quando rolou o hino maior dos mortos-vivos, Thriller, de Michael Jackson, que suscitou várias coreografias sobre o asfalto. Só uma reclamação: o povo estava desfilando rápido demais para quem acabara de morrer.

Primeiro vídeo com imagens do evento:

Agradecimentos a Eduardo, Leonardo, Ramona, Funérea, Thiago, Bob, Van e a todas as outras figuras que fizeram parte desta inesquecível caminhada com os zumbis mais sorridentes e alegres que já saíram de suas macabras covas no cemitério! :)

Nenhum comentário: