sexta-feira, agosto 03, 2007

Directed by Dolph Lundgren

Quem diria que Dolph Lundgren seria uma revelação do cinema de ação também atrás das câmeras? Comento a seguir os dois filmes dirigidos e estrelados por ele que já foram lançados aqui no Brasil em DVD.

O DEFENSOR (The Defender, 2004, USA/UK/GER/ROM)


Um filme que tem Jerry Springer fazendo o presidente dos EUA é algo que só vendo para crer. Talvez em outras mãos, O DEFENSOR seria esculhambação pura, chegando ao nível das tralhas que Steven Seagal anda fazendo. Lundgren viu que essa era uma boa chance para dar um novo rumo à sua carreira e o resultado final deste projeto se tornou um dos títulos mais curiosos a chegar nas locadoras em 2005. Quem iria dirigir O DEFENSOR era o canadense Sidney J. Furie, mas este teve que abandonar o trabalho por problemas de saúde. O ator teve um bom relacionamento com o diretor ao fazerem AÇÃO DIRETA, onde ele acompanhou de perto todo o processo de produção do filme, algo que só faz aumentar a experiência de qualquer pessoa com cinema. Então Lundgren se revelou apto a topar a parada e os produtores nem correram um risco muito grande pela produção ser pequena e com locações limitadas.

O DEFENSOR mostra uma equipe de segurança de primeiro escalão comandados por Lance, um veterano da Guerra do Golfo vivido pelo próprio Lundgren, para proteger a Secretária de Defesa Nacional em um hotel na Romênia. Chegando no local que está sem ninguém além dela e da equipe, a moça se encontrará secretamente com uma pessoa importante para a iniciativa de paz promovida pelo Presidente por causa do forte clima anti-terrorismo instaurado no país. É só o encontro se concretizar para que um grupo de rebeldes armados invada o hotel com a intenção de executar sumariamente todo mundo que está lá dentro.

Lembrando ASSALTO À 13ª DP pela trama passada num cenário limitado com invasores misteriosos, a ação e a tensão não cessam até o final. Só de vez em quando é que o Presidente e os responsáveis pela súbita invasão aparecem em cenas com mais diálogo. Os protagonistas não conseguem arranjar muito tempo para bater papo. Se você apenas quer um filme de ação bruto, violento e de ritmo acertado, O DEFENSOR não desaponta. Tem seus pontos fracos, é verdade. Agora a qualidade da ação compensa a traminha meio insossa e as patriotadas ridículas que poderiam ser evitadas. Creio que ele junto com o VINGANÇA (Wake of Death, 2004) do Van Damme fazem o par das fitas do gênero lançadas direto em vídeo mais legais de 2005.

CONFRONTO FINAL (The Mechanik aka The Russian Specialist, 2005, GER/USA)


Em menos de um ano após O DEFENSOR, CONFRONTO FINAL já estava sendo lançado nas locadoras brasileiras. Pense num filme difícil de achar aqui em Recife, tive de pegar uma cópia da turma do Capitão Gancho que tinha ele dublado. Me sujeitei a vê-lo assim mesmo, só que o ignorante que autorou o disco deletou as legendas em português disponíveis para a dublagem nas falas em russo. Aí tive de ficar adivinhando o que os bandidos falavam na maioria das vezes.

No início, vemos o protagonista Nikolai Cherenko (quase que esse sobrenome era outra coisa...) perdendo a sua família durante um tiroteio decorrente de uma negociação de drogas. O mafioso responsável pela tragédia consegue fugir, só que ele não contava que Nick era um ex-membro das Forças Armadas Russas. Numa madrugada, Nick acaba com todos os homens que acompanhavam o criminoso e ainda dá um balaço na cara do sujeito. Isso tudo acontece em menos de 10 minutos de filme!

Depois desse evento, o homem imigra ilegalmente para os Estados Unidos querendo começar uma nova vida. Lá, Nick trabalha numa oficina como mecânico (daí o título original) e recebe uma missão de uma rica senhora que sabe muito bem quem ele é. Ela lhe diz que sua filha foi vítima de um sequestro por parte de uma poderosa gangue russa. Nick reluta inicialmente, mas a moça acaba mostrando para ele numa foto quem é o responsável pela infelicidade dela. Sim, exatamente o sujeitinho que ele pensara ter matado anos antes na Rússia. Foi o gás que estava faltando para Nick largar tudo e voltar para o seu país natal. Se ele já iria atrás do nojento de graça, imagina agora bem financiado? hehe.

Enquanto O DEFENSOR é uma fita bem simples e direta com um certo clima dos filmes da Cannon, CONFRONTO FINAL (títulozinho genérico e repetido ainda por cima...) em tudo nos remete aos filmes de vingança feitos nos anos 70. Tá na cara que eu achei ele lindo, não é? A fotografia de cores meio chapadas de Ross Clarkson (de O LUTADOR, outro filme raramente bacana da Nu Image) salienta ainda mais as reais intenções de Dolph ao dirigir a produção. A influência de Sam Peckinpah nas cenas de tiroteio é absolutamente inquestionável. Até os típicos closes nas feridas sendo abertas por bala estão lá. Quem também atua no filme é Ben Cross (também de O LUTADOR) como William Burton, um americano beberrão que é apaixonado por uma prostituta e ajuda o personagem de Dolph na missão. Ele se responsabiliza por um saudável alívio cômico, que acho sempre bem-vindo quando se é efetivo. CONFRONTO FINAL ficou ainda mais legal na revisão que fiz para escrever essas linhas, o que geralmente encaro como um sinal de que o filme é mesmo bom.

Agradecimentos ao Otávio Moulin pelo ótimo post a respeito do último filme e de um professor muito curioso em seu blog.

Nenhum comentário: