sexta-feira, julho 06, 2007

Os dois últimos filmes do Van Damme

FORÇA DE PROTEÇÃO (The Hard Corps, 2006, EUA)


Eu não sabia e acabei pagando o pato. Quando percebi que FORÇA DE PROTEÇÃO era Van Damme num daqueles típicos filmes urbanos no estilo do Steven Seagal com cantores de rap no elenco tive vontade de tirar o DVD na mesma hora. Mas se eu o tirasse, não teria como comentá-lo aqui, então acabei vendo o filme todo.

O maior problema do FORÇA DE PROTEÇÃO é que o Sheldon Lettich não tem a menor noção do que um filmeco de ação feito pra vídeo precisa. A gente fica olhando altas vezes pro relógio por causa da elevada duração de 1 hora e 50 minutos!!! Se o roteiro compensasse nas cenas de ação ainda ia, mas nesse quesito o filme decepciona completamente. Quando tem, tudo acontece muito rápido. Até mesmo os tiroteios são fraquíssimos e sem a mínima emoção. Uma lástima.

Mesmo assim, achei ele um pouco melhor do que muitos filminhos desse estilo que já vi. Também pudera, Van Damme não faz 5 filmes por ano que nem o ganancioso do Seagal. O ator belga teve dois títulos lançados em 2006, ao invés de um, como costumava ser. Pelo menos, mesmo sendo fraquinho e sem muito interesse, FORÇA DE PROTEÇÃO não é nenhuma bomba como AGENTE BIOLÓGICO.

ATÉ A MORTE (Until Death, 2007, EUA)


Antes de FORÇA DE PROTEÇÃO, Van Damme fez SEGUNDO EM COMANDO com o diretor britânico Simon Fellows - de REENCARNAÇÃO (Blessed, 2003) e 7 SEGUNDOS. Em ATÉ A MORTE, a parceria se repete e o resultado dela é um filme de qualidade acima da média dos feitos por encomenda para lançamento nas locadoras. Van Damme mostra que pode atuar mais uma vez no papel do policial Anthony Stowe. Corrupto, alcóolatra, viciado em heroína e capaz de dar uma tacadinha numa prostituta nos fundos de um bar antes de ver a esposa, Stowe é obcecado em capturar Gabriel Callahan (Stephen Rea, pegando um chequinho pra pagar as contas), seu antigo parceiro da lei que se tornou um criminoso procurado. O que ele não esperava era que um incidente acontecido durante uma das suas noitadas fosse mudar o rumo de sua vida.

Há quem fique decepcionado com ATÉ A MORTE pela capinha do DVD dizer que o gênero dele é ação, coisa que não acredito que o filme seja. Para mim, ele é um drama policial que tem um dos protagonistas mais curiosos do cinema recente. Van Damme está tão bem (sim... estou falando sério) que no segundo ato da história, por incrível que possa parecer, o espectador passa a gostar do personagem. O restante do elenco está passável, mas não sei o que deu na cabeça do responsável pelo elenco de escalar a Selina Giles como a esposa de Stowe. Fazia tempo que eu não achava uma atriz tão fraca. Nem o Rea que pouco se lixa pra sua atuação chega aos pés dela em matéria de mediocridade. Assim como O LUTADOR (Undisputed 2, já comentado aqui no blog), há todo um clima de cinema oitentista, o que garante um charme extra. Simon Fellows fica tentando fazer umas meladas na edição querendo ser "muderno" de vez em quando, mas isso não me incomodou o bastante.

O filme lembra um melodrama esquecido do Mike Nichols com o Harrison Ford chamado UMA SEGUNDA CHANCE (Regarding Henry, 1991) onde o personagem principal passa por uma situação semelhante. Mesmo com alguns furos, ATÉ A MORTE consegue ser superior. Dá até pra esquecer que ele foi produzido pelos caras da Millennium Films. Outra coisa bem interessante é que o roteiro - assim como o dos filmes vindos de Hong Kong - não tem a menor pena dos personagens. E o Van Damme solta pelo menos duas frases de efeito que certamente devem fazer os fãs do cinema de macho irem ao delírio. Como diria o infame Borat... Nice!

Curiosidade: 1 - No DVD lançado pela Flashstar do ATÉ A MORTE tem o trailer do esperado filme coreano A CIDADE DA VIOLÊNCIA. Depois de assistir aquilo, não tem neguinho que fique sem querer que eles lancem isso o mais rápido possível!!

2 - ATÉ A MORTE é mais um filme do Van Damme que seria dirigido pelo Ringo Lam, se ele não pulasse fora por diferenças criativas com os produtores. Imaginem o estrago que esse monstrinho poderia ter feito com o material.

Um comentário:

Anônimo disse...

Coitado do Van Damme. O cara é boa praça, gente fina, mas os caras não dão filmes bons e com boa produção pra ele. Soldado universal 3 resgatou um pouco da honra dele. Mais sorte pro cara.