segunda-feira, junho 25, 2007

Falando um pouco de mim outra vez e sobre a realização do CINEMANIA

A minha auto estima não estava das melhores no início da semana passada. Na noite de sexta pra sábado, tive uma das piores noites de sono de minha memória recente. Eu andava reclamando a mim mesmo que nunca mais tinha sonhado, só que no lugar de sonho tive um pesadelo que realmente fez jus ao nome. Foi o bastante para o meu sábado não ser legal. Quando dei uma melhorada no domingo com a chegada do meu irmão de viagem e decido ir ao cinema da Fundação Joaquim Nabuco assistir ao O HOSPEDEIRO, tomei conhecimento de uma notícia que me deixou abalado antes de ir ver o filme. Não me fiz de vencido e fui pra sessão. Ver a insólita aventura daquela família coreana realmente foi algo bom que eu fiz. Aquele belo filme me deixou sorrindo sozinho durante a solitária volta para casa. Pena que na segunda de manhã manhã aconteceu exatamente a mesma coisa, tive mais outra notícia chata. Pra piorar a situação, o meu vídeo pifou terça-feira e perdi a fita original de APACHE BRANCO dentro dele. Ela simplesmente torou e a sua situação piorou de vez quando tentei dar um jeito no aparelho.

É isso aí, companheiros, agora é mesmo hora de falar da primeira experiência pessoal que tive com um programa de televisão. Ele era fictício, mas a felicidade e a satisfação sentidas em vários momentos foram muito verdadeiras. VÁ E VEJA tem sido mais pessoal do que eu queria esses tempos. Espero não estar afastando leitores com isso, pois tudo não passa de uma fase. Na segunda mesmo, tinha pensado em dar um tempo no blog, tipo umas duas semanas sem atualização. Só que o meu humor deu uma melhorada logo na noite de quarta-feira, apesar dele não ser o mesmo de antes, logicamente. Aí a vontade de falar com vocês voltou e este último final de semana deu uma compensada nas coisas chatas que me aconteceram. Vamos ao relato que eu estava devendo sobre essa experiência marcante que tive a partir do final do mês passado.

Aquela quinta-feira, dia 31, começou diferente dos outros dias de maio. Fui fazer um "check-up" cardiológico que estava marcado semanas atrás. Sabe como é... checar os batimentos cardíacos, tirar a pressão arterial, receber a notificação de quais tipos de exame de sangue o médico quer e etc. Isso logo no primeiro dia em que comando uma gravação em um estúdio de TV, até parece que alguém lá em cima estava adivinhando. Depois do almoço e de um pequeno descanso, fui para a faculdade me encontrar com Andréa Lima (apresentadora) e Renata Amador (assistente de direção e produtora) para ensaiarmos o roteiro da apresentação em estúdio. Depois chegaram Renato June e Thiago Sales, que também estão cuidando da produção. Aliás, todos os cinco membros do grupo tem feito isso de várias maneiras com textos, imagens e sugestões para o programa. Renato digitou o conteúdo dos blocos no teleprompter (substituto eletrônico dos cartazes onde o apresentador lê as informações, ao invés de decorar todo o texto) e Thiago estava lá pra nos ajudar assim que eu ou mais pessoas do grupo entrassem em pânico, algo bem provável de acontecer.

Logo no ensaio, tive a sensação de que o clima entre nós iria ser dos melhores. Tudo rolou de forma divertida e respeitosa, embora eu ficasse demorando mais do que o necessário para tomar algumas decisões. Renata me alertou várias vezes sobre isso e esses alertas me ajudaram bastante na hora do "vamos ver". Eu não consigo imaginar uma pessoa melhor do que Renata para me ajudar lá dentro do estúdio naquele dia. Ela foi demais e Andréa também não deixou a desejar. Paciente, tranqüila e bem-humorada, a nossa apresentadora venceu os problemas que a estavam incomodando naquele momento, como uma dor nas costas que estava sentindo e o uso de uma lente de contato que estava bem fraca e os seus olhos nunca mais tinham usado. Com tudo isso, Andréa ainda estava excelente. Modéstia a parte, isso era algo já esperado por mim desde quando nos falamos pela primeira vez sobre o projeto e sua predileção em ser a apresentadora dele. Eu fui muito sortudo, hein? GOD SAVE THE WOMEN!!

O ensaio prolongou um pouco mais do que devia e a nossa professora Fabiane Lucena chegou no estúdio antes de Renata e Andréa voltarem da preparação da apresentadora. Sabe como é... colocar uma roupinha mais descontraída, uma maquiagem básica e etc. Essa aparição repentina da professora foi o bastante pro nervosismo tomar conta de mim. Para piorar a situação, o áudio do estúdio não estava chegando na sala de controle, mas os técnicos da faculdade fizeram o máximo para consertar tudo em pouco tempo. Somando tudo, tivemos um atraso de quase 25 minutos no nosso horário de gravação. Imagine o estado deste que vos escreve naquela hora em que a câmera ainda não tinha rodado qualquer imagem! Foi arrepiante, você sente todo um peso nas suas costas. Quem ficou conosco na mesa de corte (espécie de pré-edição durante a gravação) foi Éberes (aka Ceará), um dos técnicos da faculdade.

Na gravação, mais uma vez fiquei surpreso. Todos demonstraram uma boa segurança no que estavam fazendo. Cada um cometeu a sua mancadinha aqui e ali, eu mesmo tive uma pequena discussão com Renato pois ainda estava muito nervoso, mas confusão foi algo que praticamente não houve conosco. Eu só queria que tudo acabasse bem pra todos da equipe. Não sei se isso acontece com outras pessoas, mas a sensação que tive é que naquele momento nada mais no mundo importava mais do que o programa. A minha concentração era tanta que a professora tentou falar comigo em uma ocasião e eu não a ouvia!! Renata é que me disse que ela queria me dizer algo. Fui repreendido pela professora por causa disso, mesmo já sabendo que um bom diretor deve saber escutar todo mundo. Coisas do nervosismo mais uma vez. Perto do final, eu e Renata tentávamos um plano diferente com um pequeno movimento de câmera que tinha até sido experimentado no ensaio, mas não estava saindo legal. Aí tive que tomar a decisão de pularmos aquilo dali e fazermos um plano mais simples e direto mesmo pois a hora estava passando. O tempo é o maior inimigo que você pode imaginar no estúdio. Os outros problemas que podem aparecer são fichinha comparados a ele. Terminada a gravação, tirei o fone dos ouvidos, cumprimentei Renato e Thiago e saí correndo para falar com Andréa e Renata. O entrosamento e a interação do pessoal foi acima do esperado por nós e pela professora. Tanto que ela disse "O grupo está formado, só falta a emissora". Isso foi muito bom de escutar depois da descarga de tensão que tinha tomado hehehe.

No dia seguinte, já estávamos capturando mais vídeos para a ilha de edição e a fita bruta da gravação. As minhas duas colegas de grupo estavam comigo na hora e foi muito divertido rever aqueles pouco mais de 20 minutos que gravamos da apresentação para o CINEMANIA. Também foi impossível de conter as risadas quando ouvimos a voz de Renata me dizendo que a professora Fabiane queria falar comigo. Andréa ainda ria com as expressões que fazia quando não estávamos gravando. Ela disse que tentava imaginar o que acontecia na sala de controle. Depois deste dia, houve uma série de problemas em relação à reservas de horário na ilha de edição mais por causa do pessoal do 8º período que era prioridade. Fizemos o possível com o tempo conseguido, mas não terminamos o programa a tempo de ser entregue como a nossa prova de segunda unidade. Fabiane compreendeu, já que o mesmo tinha acontecido a todos os outros grupos com exceção do primeiro que gravou em estúdio. Na sexta-feira, dia 8 de junho, esse grupo ainda estava finalizando o seu programa. Nós queríamos muito ter o CINEMANIA prontinho no dia 11 ao invés de apenas entregar o seu roteiro final. O programa será finalizado sem falta no mês de julho, pois ele não pode ser só aquilo que foi feito até agora. Farei de tudo para vocês o assistirem pela Internet, através do YouTube e download de um link direto. Aguardem!

Nenhum comentário: