quinta-feira, maio 03, 2007

CINE-PE: 26 de abril

Vídeos e curtas:

RAPSÓDIA DO ABSURDO (GO) - Dir. Cláudia Nunes

Documentário experimental feito a partir de imagens de arquivo de dois tristes episódios que envolvem a luta pela terra e pelo campo aqui no Brasil. Eu achei válida a proposta e a mensagem que o vídeo quis passar, mas ainda penso que ele poderia ser bem mais enxuto. Às vezes pensava que assistia a um videoclipe longo. Talvez eu não me sinta bem ou não seja acostumado a ver pouco mais de 10 minutos só de imagens e sons, sem qualquer diálogo. No geral, interessante.

CHORUME (SP) - Dir. Hélio Vilela Nunes

Muito, muito legal! O meu vídeo favorito de todos os que vi no evento. Ele retrata a estranha experiência que um gari passa durante a sua habitual jornada de trabalho noturno. Não vou dizer o que acontece a ele, mas vale dizer que o curta me fez lembrar o ótimo DEPOIS DE HORAS de Scorsese. Quando o Hélio apareceu no palco para falar sobre o filme, não pude deixar de pensar "Olha só que figura!" hehe. E é das figuras que muitas vezes temos gratas surpresas. CHORUME é bem direto, muito divertido e prazeroso de se ver. Vale a pena conferir.

NA CORDA BAMBA (PE) - Dir. Marcos Buccini

Taí um curta de animação que agradou em cheio o público do festival. Ele é daqueles filmes que vivem de uma idéia até simples, mas que é bem executada. Aí é que está a diferença. Para mim, o curta fala sobre a quantidade de vezes em que caminhamos nas ruas das nossas cidades sem se importar muito com o que está acontecendo ao redor. Até o momento em que ocorre algo que nos faz sorrir e querer lembrar daquilo durante a volta ao trabalho ou pra casa para contar o acontecido. No início, confesso que não gostei só por ele não fazer muito o meu estilo, mas revendo um pouco dele agora na cabeça acabei o achando legal.

ATÉ O SOL RAIÁ (PE) - Dir. Fernando Jorge e Leandro Amorim

Para (in)felicidade minha e dos presentes, os realizadores não conseguiram entregar a cópia em 35mm a tempo. Uma pena.

BEIJO DE SAL (SP) - Dir. Felipe Gamarano Barbosa

Já era hora de alguém chegar dando porrada na tela. Esse curta-metragem de ficção do Felipe foi o primeiro dos dias em que participei a fazer isso. Vencedor de prêmios nacionais e internacionais, o filme fala a respeito da amizade de dois homens durante o desenrolar de uma festa de Ano Novo. Tudo acontece a partir do momento em que Paulo chega na casa de veraneio de Rogério acompanhado da mulher com quem ele acabou de se casar. Paulo é um rapaz dos seus 30 anos, enquanto que Rogério já está na casa dos 40 e é um autêntico "bon vivant". Esse cara foi o terror das feministas durante a sessão hehehe. Um dos maiores destaques do filme é Rogério Trindade, que vive e dá seu nome ao anfitrião, numa atuação extremamente natural e ao mesmo tempo comovente. Graças à direção de Felipe e a excelência da atuação de Rogério, o espectador atento até compreende os atos estúpidos que o personagem comete só por gostar muito do seu amigo. Muito bom. Merece demais ser visto e conhecido por também apresentar dois nomes que ainda serão mais reconhecidos no cinema nacional, mas posso dizer de antemão que não é para todos os públicos.

CABACEIRAS - Dir. Ana Bárbara Ramos

Cabaceiras é o nome de uma cidade localizada no interior da Paraíba onde vários filmes nacionais são rodados. Esse documentário de curta-metragem bem estruturado tem seu foco em três pessoas do município que participaram de produções como O AUTO DA COMPADECIDA. Gostei muito de ver o posicionamento crítico que elas tem ao falar que a sua cidade não serve só como cenário de região afetada pela seca (lá tem os típicos laguinhos rasteiros, mas água é uma coisa que não falta nas casas) e que muitos realizadores exploram isso para vender essa imagem sofrida do Nordeste conseguindo assim dinheiro de leis públicas de incentivo com a intenção de financiar o resto do filme. Há uma senhora entrevistada que dá uma viajada daquelas e achei muito legal a diretora do documentário manter a integralidade do que ela queria dizer. No final, os aplausos ao curta e aos seus personagens foram realmente merecidos.

NOITE DE SEXTA, MANHÃ DE SÁBADO (PE) - Dir. Kleber Mendonça Filho

Com este filme, Kleber abocanhou mais um prêmio de melhor direção de curta-metragem no Cine-PE. Dos três dele que eu assisti, NOITE DE SEXTA, MANHÃ DE SÁBADO é o que menos aprecio e me identifico. O que não quer dizer, porém, ele não tenha os seus méritos. Trata-se de uma história de amor contada em 15 minutos através de uma ligação de celular feita de Recife para Kiev. O filme é mais simples do que muita gente esperava depois de VINIL VERDE e ELETRODOMÉSTICA, mas é uma experiência original que ainda deve agradar e fazer pensar os públicos de vários festivais.

Um adendo: Você ainda não viu VINIL VERDE? Caso queira assisti-lo através do Porta Curtas, clique aqui. Eu o considero uma das melhores obras do cinema nacional de curta-metragem. Leandro Caraça e Diogenes L. Cesar, não duvido nada vocês dois gostarem desse filme.

Longa-metragem:

OS 12 TRABALHOS (SP) - Dir. Ricardo Elias

Gostei tanto que irei fazer um post em breve só sobre ele. Trata-se de um filme muito especial, sincero, humano e sem frescurites narrativas sobre o inesquecível primeiro dia de trabalho de Éracles (vivido com garra pelo jovem ator paulista Sidney Santiago, que também foi merecidamente premiado pela sua bela atuação aqui no Cine-PE)como motoboy. Fiquei muito feliz e grato pela surpresa ao ver um trabalho com tantas qualidades me saltando aos olhos, principalmente pela dignidade e respeito conferidos a um personagem do nosso cotidiano que acredito que nenhum outro realizador teve interesse de analisar de maneira decente. Belíssimo.

Nenhum comentário: