quinta-feira, abril 05, 2007

Uma sessão da tarde inesquecível: FAHRENHEIT 451

Agora que consegui arranjar um tempo melhor para acessar um computador e escrever, tenho de dividir com vocês um pouco do que foi aquele dia 10 de março quando exibimos FAHRENHEIT 451 no Cineclube Cinecittà para um público de mais de 30 pessoas! Mesmo com uns presentes dorminhocos e que só vieram pra assinar a ata (o evento vale como atividade complementar da faculdade...), vamos dizer que tinham umas 20 pessoas que realmente estavam lá para ver o filme e falar sobre ele, se julgarmos pelo visível interesse de algumas perguntas no debate que ocorreu no final dele. A tarde daquele sábado começou puxada, pois uma responsabilidade que poderia muito bem ter sido recebida bem antes caiu nos meus ombros justamente na noite anterior do evento. Não relato a trajetória daquele início de tarde para não me alongar muito aqui, pois quero escrever mais sobre a sessão em si. Depois de toda a corrreria que passei, consegui descer no ponto de ônibus mais perto do local da sessão faltando uns 10 minutos para a apresentação. Bom... eu já estava meio morto antes e acabei chegando no auditório quase um zumbi. O suor foi dado, só faltou o sangue e as lágrimas também. E eu daria isso se fosse necessário, com toda certeza! Entreguei o material, me encontrei com os amigos Henrique Compasso (um dos responsáveis pelo Cinecittà junto comigo) e Luiz Joaquim (o convidado), saí para passar uma água no rosto e tomar um pouco deste agraciado líquido provido pela natureza pra voltar ao auditório.



Depois das apresentações e comentários iniciais feitos por mim e Henrique sobre a volta do Cinecittà, a sessão começa e eu estava ansioso para finalmente conhecer esse verdadeiro clássico do cinema. O filme tinha sido muito bem indicado pelos amigos Ronilson Araújo e Djalma Farias, que são as outras duas pessoas responsáveis pelo Cinecittà e que não puderam comparecer por causa de obrigações pessoais. Uma pena, a presença dos dois só iria melhorar ainda mais aquela tarde. A primeira coisa que me deixou com a sensação de que as quase duas horas de duração deste clássico seriam inesquecíveis foi a inteligência dos créditos iniciais, ditados ao invés dos tradicionais escritos. Quem foi pra sala sem saber muita coisa do filme se surpreendeu ao ver os bombeiros entrando em ação logo no início do filme sem a menor intenção de apagar um incêndio, mas sim para causar um e em livros! Chega a ser assombroso ver uma criança pegando em um livro, ficando interessada em saber o que aquele belo objeto pode trazer a ela e ser privada disso por causa do olhar de um dos bombeiros para o seu responsável. O título do filme refere-se à temperatura na qual os livros são queimados. Depois deste momento, vemos que o responsável pelas chamas lançadas é o protagonista Montag (Oskar Werner, apresentando um desempenho notável mesmo brigado com Truffaut nas filmagens) que passará a questionar o motivo dele estar fazendo isso depois que conhece Clarisse (Julie Christie), uma professora de primário. Com isso, Montag fica curioso para saber o que contém nos livros e começa a "pegar emprestado" os livros das casas "condenadas" em que ele entra com seus colegas de serviço.

FAHRENHEIT 451, tanto o livro quanto o filme, critica ferozmente o totalitarismo. Essa obra-prima de Truffaut continuaria imperdível se fosse uma fiel adaptação do texto de Ray Bradbury aliado ao visível talento do elenco escalado que tem ainda Cyril Cusack como o superior de Montag, mas o filme é bem mais do que apenas isso. A experiência de assistir FAHRENHEIT 451 continuará na mente do espectador depois de anos, como bem disse Luiz Joaquim no debate que ocorreu após a exibição. O filme é muito a frente do seu tempo, não tem uma simples pessoa que não se impressione com o quanto a sala da casa do protagonista é parecida com algumas dos dias de hoje, inclusive com uma TV de tela larga na parede. Para ser sincero, as únicas coisas que estão datadas nele são os efeitos especiais em uma pequena cena de perseguição e o barbeador de última geração que Montag ganha da sua esposa Linda, também interpretada por Julie Christie.

A maioria das pessoas residentes naquele universo fictício são profundamente alienadas pelo conteúdo exibido na televisão, algo que está acontecendo muito no nosso país por causa da fraca educação que o governo fornece aos seus cidadãos e que o filme faz questão de criticar. A submissão dos personagens a esse meio de comunicação também é destacada no excelente V DE VINGANÇA. Uma cena fantástica acontece logo no início quando os bombeiros invadem uma das casas "condenadas" e acham livros escondidos dentro de uma TV!! Os diálogos não ficam atrás em termos de qualidade, muitos são tão memoráveis quanto os vários momentos inesquecíveis e aterrorizantes desta obra-prima. Se brincar, FAHRENHEIT 451 funciona mais como filme de terror do que de ficção. Os 10 minutos finais onde há uma revelação inesperada dentro da trama é de uma beleza incomum.



Como falei antes, alguns dos presentes ficaram empolgados no fim da exibição para fazer perguntas, a maioria delas de natureza política pelo filme instigar mesmo neste tema. Quem acompanhou a gente na mesa junto com Luiz Joaquim foi a profa. Isa Dias que trouxe vários dos seus alunos para prestigiar o evento. Só houve uma ocasião estranha em que eu realmente não consegui compreender o que um dos espectadores queria falar e acabei falando de maneira muito sincera o que eu pensava sobre o questionamento dele, mas ele acabou se expressando melhor e tudo acabou beleza. Ainda bem que a gente conseguiu falar em pouco tempo de algumas curiosidades do filme, da impressionante sutileza dos diálogos, da notável influência de Hitchcock em Truffaut e da maravilhosa trilha de Bernard Hermann, o papo tava tão bom que chega deu uma pena não termos mais tempo para continuar. Acho que o ponto mais alto do papo foi o belo depoimento de Luiz sobre a importância de FAHRENHEIT 451 em sua vida como fã e crítico de cinema. Eu não consigo evitar a felicidade e a emoção toda vez quando alguém fala de coisas que marcaram a infância, no caso de Luiz trata-se da inesquecível cena da descoberta de uma biblioteca particular pertecente a uma senhora e sua resolução. Até hoje esse momento continua chocante.

Dá pra perceber que fiquei feliz com o evento e por conseguir convidar o meu amigo Luiz Joaquim, que é o maior fã de François Truffaut que eu conheço. Quando tive certeza de que iríamos exibir FAHRENHEIT 451, falei para mim mesmo que tinha de chamá-lo. De negativo, apenas o fato do auditório recém-inaugurado não possuir cortinas e ter uma película fumê fraca nas janelas, fazendo com que o sol da tarde atrapalhasse um pouco a visualização do telão durante uns aproximados 30 minutos. A coordenação prometeu que daria um jeito na próxima exibição. Vamos ver.

É isso aí, povo. Até a próxima sessão que será no dia 14 de abril, onde exibiremos com orgulho um dos melhores filmes de 2006, V DE VINGANÇA. Tô contando os dias!

PS: O companheiro Matheus Trunk detonou mais uma vez. Cara... que inspiração foi aquela pra escrever a carta ao leitor da ZINGU! deste mês?? Tu andas fumando o quê?? hehehehe. Com certeza, um dos melhores momentos da blogosfera brasileira em 2007. Mas a ZINGU! de abril não para por aí. Tem o dossiê Carlos Imperial (!!!), o grande Marcelo Carrard falando de NUNEXPLOITATION e ALL NIGHT LONG II, críticas do do Filipe Chamy para UMA BALA PARA O GENERAL e crítica do Biáfora para O AMIGO AMERICANO e muito, muito mais. Deixe de putaria, clica aqui e seja feliz!

Nenhum comentário: