terça-feira, fevereiro 13, 2007

Stelvio Massi e Umberto Lenzi em dois "polizieschi"


DESTRUCTION FORCE (aka La Banda del Trucido / Dirty Gang, 1977) foi a minha iniciação ao cinema policial de Stelvio Massi, que é tido como um dos grandes realizadores deste subgênero que tomou aos poucos a popularidade conquistada pelos "gialli" e faroestes. Como dá para perceber no poster acima, os astros do filme são Luc Merenda e Tomas Milian. Esses dois atores fizeram tantos filmes nesta prolífica fase do cinema italiano que não consegui pensar em "poliziesco" sem a imagem de um deles vir à mente depois de ter pesquisado um pouco sobre o estilo. Se bem que MISTER SCARFACE foi a primeira VHS que eu comprei com o dinheiro da minha mesada quando eu tinha uns 12 anos de idade!! Pirei com o filme na época, só que essa é uma outra história que irei contar depois por aqui.

A cópia que eu consegui foi extraída da VHS brasileira cuja imagem está escurecida e até embaçada com legendas em branco. Vai ver ela foi telecinada diretamente da cópia em película num equipamento de terceira geração. Há ainda umas cenas que não ficaram bem coesas, o que me faz acreditar que cortes foram feitos na fita. Mesmo assim, deu pra me divertir bem com o filme que é até esquecível e não apresenta nenhuma novidade, mas os menos de 90 minutos da sua duração passam ligeirinho. Merenda encarna um policial claramente inspirado pelo Dirty Harry de Clint Eastwood. Frio e de poucas palavras, ele age bem mais do que pensa. A trama rotineira é recheada por tiros, explosões, perseguições e um show particular de Tomas Milian como o desajeitado Trash (sim, o cara se chama Lixo hehe). O filme já merece uma conferida pela hilariedade de algumas cenas protagonizadas pelo sujeito. Não tem como ficar sem rir de um cara cozinhando e resmungando da vida ao mesmo tempo para o pobre do filho dele que ainda é um bebê. No geral, trata-se de um passatempo inofensivo com as suas qualidades e uma trilha troncha daquelas que só mesmo os compositores setentistas sabiam fazer. Estou também com o elogiado MARK THE COP do mesmo diretor na prateleira me esperando para assistir. Ele deve ser ainda melhor e mais divertido.

Curiosidade: O título nacional do filme é A GANGUE SUJA DO SEXO!! Ah que saudade dos velhos tempos...


Acabei revendo GANG WAR IN MILAN (Milano Rovente, 1973) nessas férias de janeiro. O primeiro "poliziesco" de Umberto Lenzi pode não ser nenhuma obra-prima, mas é uma produção essencial para qualquer pessoa interessada no subgênero. No filme, Salvatore Cangemi (Antonio Sabato) é um grande cafetão de Milan que recebe uma forçada proposta do traficante francês Roger Daverty (Phillipe Leroy, presença confirmada em LA TERZA MADRE, o novo filme do Dario Argento) de revender drogas através das suas prostitutas. Como Salvatore está pouco se lixando para a proposta de Roger e ambos vivem tentando ferrar o outro, inicia-se uma guerra entre as duas gangues em Milão conforme o próprio título anuncia.

Uma das melhores coisas deste filme do Lenzi é o próprio protagonista. Simplesmente, Salvatore Cangemi é um dos personagens cinematográficos mais FDP que tive o (des)prazer de conhecer. O cara é impiedoso, violento, impulsivo, fica puto do nada, vive batendo nas suas prostitutas e ainda não suporta ver alguém falando inglês na frente dele. Quando vi GANG WAR IN MILAN pela primeira vez, pensei ser impossível simpatizar com um personagem assim. Já na revisão, passei a achá-lo mais humano, uma espécie de pré-Tony Montana e reparei melhor nas pequenas cenas em que ele visita a mãe no asilo. Há vários clichês vistos no filme que seriam usados muitas vezes depois em outros filmes de gangsters como a tradicional seqüência onde tem alguém sendo morto a mando do grupo e os membros da organização estão cantando, rindo e se divertindo. A veia "exploitation" do Lenzi se faz presente aqui em diversos momentos, pena que o maior ponto fraco do filme seja a sua própria direção. Tem momentos em que o excesso de "closes" enche a paciência, principalmente quando Salvatore está no seu escritório conversando com os outros membros da gangue. A trilha sonora também repete e muito a música-tema. Ainda bem que temos a beleza de Marisa Mell (de PERIGO: DIABOLIK) para dar uma compensadinha nas falhas e limpar a nossa vista de um bando de macho bigodudo e alguns dragões que "interpretam" as prostitutas. Enfim, o filme tem Sabato, Leroy, Mell, muitos tiros, mortes diversas, peitinhos de fora e um infeliz sendo torturado por choques no saco!! Tudo de bom, né? :)

Agradecimentos a Octavius e Herax, dois seres fanáticos por "poliziesco" que continuam instigando outros fãs de cinema a conhecerem o estilo.

Nenhum comentário: