segunda-feira, outubro 16, 2006

CIDADE VIOLENTA (Città Violenta, 1970)


Eu tinha me programado para assistir HARD CANDY e DÁLIA NEGRA neste feriadão, mas acabei surpreendido com a retirada do primeiro de cartaz logo na última quinta-feira, apenas 7 dias depois da sua estréia numa única sala de um dos multiplexes de Recife. Assisti ao novo trabalho do Brian De Palma no último sábado e uma decepção acabou sendo inevitável. Afinal, DÁLIA NEGRA foi, simplesmente, o meu primeiro De Palma numa sala de cinema. Ia comentá-lo agora se eu não tivesse assistido depois a esse belo exercício cinematográfico do Sergio Sollima com o grande Charles Bronson. Além do eterno Paul Kersey, CIDADE VIOLENTA também tem Jill Ireland, que foi o maior amor da vida de Bronson, e Telly Savalas se divertindo como um poderoso chefão do crime.

Só o início é matador. Os créditos de abertura são compostos em sua maioria por "fotos" tiradas de Jeff (Charles Bronson) enquanto passeia em companhia da sua amante Vanessa (Jill Ireland) ao som de mais outra impagável música-tema composta por Ennio Morricone, que teve marcante parceria com Sollima e define a atmosfera pessimista e densa do longa. Logo após, os dois personagens sofrem uma tensa perseguição a carro, num dos vários momentos memoráveis da produção. Depois de tudo, Jeff se vê preso e vítima de uma covarde traição. Vemos através de "flashbacks" que ele é um assassino profissional e que foi traído por Vanessa e um milionário chamado Coogan. O seu desejo de vingança aumenta a cada dia que passa e assim que sai da cadeia, ele vai atrás de informações para punir pessoalmente os traidores.

Serei direto. CIDADE VIOLENTA é daqueles filmes com tramas simplórias e até previsíveis, mas o que faz a diferença neles é como o diretor conduz o material. Só esse ano tivemos MIAMI VICE como exemplo dessa linha, onde Michael Mann nos deixa grudados na cadeira com alguns dos melhores planos e tiroteios urbanos do cinema recente. Sendo assim, CIDADE VIOLENTA é de fundamental importância na carreira de Bronson por ser um dos seus primeiros títulos onde ele encarna um vingador determinado. Outra coisa que me fez dar mais pontos ao filme é que não tem nenhuma alma bondosa e digna de pena ou simpatia nele. Como exemplo, dou o próprio protagonista que se mostra um completo FDP muitas vezes. É por isso que acabo gostando da maioria dos policiais e faroestes italianos, pois eles eram os melhores em lidar com esse tipo de personagem.

Charles Bronson foi muito bem escolhido para interpretar Jeff, um sujeito frio e de poucas palavras. Já a bela Jill Ireland não convence como uma "femme fatale" e Telly Savalas tem menos tempo em cena do que o esperado. Aliás, foi a partir da aparição do famoso intérprete de KOJAK que passei a perder interesse no filme. Uma pena, já que a primeira metade de CIDADE VIOLENTA pode ser considerada uma aula de cinema. Basta dizer que não há nenhum diálogo nos primeiros 10 minutos e que me faltam palavras para dizer o quanto a cena passada numa pista de corridas é fantástica. Sollima acabou virando um dos meus diretores prediletos graças a este e O DIA DA DESFORRA, sendo que aqui ele imprime um estilo mais seco e pesado. O silencioso final reservado a dois dos personagens dentro de um elevador também é uma coisa linda e inesperada. Coisa de quem sabe mesmo e adora fazer cinema.

De negativas, o confronto entre Bronson e Savalas decepciona e algumas cenas são mais longas do que o necessário. Mas fiquei feliz em finalmente assistir CIDADE VIOLENTA com excelente qualidade de imagem em widescreen num DVD comprado por 10 reais naqueles balaios de magazines. Apesar de não contar com os extras da edição da Anchor Bay, o DVD nacional da Spectra Nova (intitulado VIOLENT CITY) é uma aquisição válida na coleção de qualquer fã de cinema policial europeu e de Charles Bronson. O áudio no disco é mono, alternando entre o idioma inglês e italiano, pelo fato da cópia ser restaurada e integral.

PS1: O roteiro é escrito a 8 mãos!! Entre elas, Sollima e a cineasta Lina Wertmüller.

PS2: Alguém sabe se aquela aranha da cena da cadeia é real ou não? Se for mecânica, é uma das melhores que eu já vi.

Nenhum comentário: