domingo, dezembro 31, 2006

Até ano que vem

Daqui a 30 minutos, já estaremos em 2007. Foi um ano que teve os seus altos e baixos, assim como todos os outros que passei. Tomara que desta vez os altos tenham uma maior presença, já que os poucos baixos que tive no ano de 2006 deixaram marcas na minha pessoa. Bem... espero que 2007 não seja apenas um ano onde as maiores mudanças sejam a do calendário e da nossa idade e sim de grandes e significativas mudanças positivas - tanto no lado pessoal quanto no profissional - para mim e para cada um de todos vocês que gostam de acompanhar o que tenho a dizer de vez em quando por aqui. Muita paz, saúde, felicidade, sexo e aquele dinheiro legal no bolso sempre que a gente merece. Que venham também altos filmes fodas que nos deixem pirados para trocar idéias de maneira bem-humorada (às vezes, nem tanto hehe) e construtiva assim como nós temos feito.

E isso é tu... tu... tudo pessoal!!

PS: Não sou o que se pode chamar de um cara religioso, mas minha oração de final de ano será essa.

quinta-feira, dezembro 28, 2006

MASTERS OF HORROR: IMPRINT (2006)


Takashi Miike dirigindo Billy Drago e Youki Kudoh em IMPRINT.

Conheci o cinema de Takashi Miike no ano passado quando assisti ao fantástico AUDITION. Foi o bastante para eu ter me dado conta de que tinha visto uma das obras de alguém que deixaria o seu nome escrito na História do Cinema. Logo quando deu, fui conferir a filmografia de Miike no IMDB e fiquei embabacado. Além de ser muito versátil, Miike é um realizador incansável e faz um filme atrás do outro. Temos de 4 a 8 filmes novos deste diretor que realmente nasceu pra fazer cinema todo santo ano. E conforme podemos ver na excelente entrevista disponível no DVD nacional deste filme intitulado MARCAS DO TERROR, ele é uma pessoa muito humilde, sincera e bem-humorada, o que só fez me deixar mais fã dele.

IMPRINT é o filme de 63 minutos que Miike realizou para a primeira temporada da série MASTERS OF HORROR. Incluindo ele, vi apenas três episódios desta consagrada série até agora: os ótimos JENIFER e HOMECOMING. A segunda temporada está desapontando alguns fãs do gênero, embora eu acredite que o nível geral da qualidade dos episódios continua alto para os padrões televisivos. Esse foi o famoso episódio da série barrado para exibição pelo canal Showtime. Sinceramente... eu não vi motivo para tanto. Perdi a conta de quantas vezes assisti a filmes com cenas tão violentas quanto as de IMPRINT na TV no horário em que a série é exibida nos Estados Unidos. Foi frescurite aguda mesmo.

A mais recente e comentada obra de Miike fala sobre Christopher (Billy Drago!!), um jornalista americano que desembarca numa ilha à procura de uma mulher. Quando ele chega lá, pergunta sobre ela para um anão que tem um pedaço do seu nariz arrancado. Este ser esquisito diz que desconhece saber quem ela é. Pela cara da figura, dá pra ver que é uma mentira. Como não há mais barcos para voltar, Christopher acaba se hospedando no bordel do anão e fica com a única prostituta da casa que não fica implorando para que um homem a escolha. Ela é uma moça com a face deformada que começa a contar a ele tudo o que aconteceu com a mulher que está procurando e também passa a revelar algumas coisas do seu passado.

Se eu dissesse que não esperava mais do filme, estaria mentindo. Só que o resultado final de IMPRINT está bem acima da média para o que é feito atualmente no gênero. Preferia bem mais que os episódios da MASTERS OF HORROR estivessem passando em sessões duplas nos cinemas do que a quantidade esmagadora de porcarias que os estúdios hollywoodianos vem lançando, como os recentes O SACRIFÍCIO e PULSE. O terror de IMPRINT não reside em fantasmas ou criaturas bizarras, mas do próprio ser humano. É esse estilo de filme de terror que mais tem me agradado hoje em dia.

O último episódio da MASTERS OF HORROR é uma pauleirinha das grossas. Tem aborto, incesto, estupro e uma puta cena de tortura que revela a obsessão de Takashi Miike por agulhas (kiri kiri kiri hehehe) de uma vez por todas. Os únicos pontos fracos são as atuações do elenco que, com exceção de Billy Drago e Youki Kudoh, é todo composto por japoneses que tiveram de ser ensinados a dizer suas falas foneticamente e a conclusão mal-resolvida e previsível, embora os seus últimos momentos sejam únicos. Tenho certeza de que Miike escolheu Drago por causa do seu rosto marcante. A expressão do ator quando seu personagem descobre a verdade sobre a prostituta que o acompanha no quarto é perfeita. Pena que ele dê um show de "overacting" onde menos se precisa, mas fazer o quê? É Billy Drago, pô!

IMPRINT é mais uma obra cinematográfica inesquecível vinda do olhar de Takashi Miike, um dos melhores diretores da atualidade. Poderia ser ainda melhor, mas do jeito que está continua altamente recomendável. Como nota-se, a história é contada na melhor tradição do clássico RASHOMON de Akira Kurosawa. Quem gosta desse estilo de narrativa, de Miike e de Billy Drago (a coisa mais normal do filme, acredite se quiser) está em casa.

Agradecimentos especiais a minha amiga Rosana Portilho pelo envio da cópia deste e de mais outros 13 filmes que chegaram em minhas mãos no sábado retrasado, antes mesmo do Natal! Muito obrigado mais uma vez, Rosana. :)

PS: Adicionei vários blogs na seção de links que vocês podem ver no canto direito da tela. Tem de estreantes (Cine Delírio, Pipoca com Manteiga e Telas e Telonas) a outros já conhecidos (Cinema Cuspido e Escarrado, Cinema Para Todos e O Negativo Queimado). Dê uma olhada com carinho no que puder da lista e, caso agrade, os coloque nos favoritos pois eles merecem.

CONSUMIDO PELO ÓDIO em DVD!


** Segundo a capinha do disco, o filme está apresentado em letterbox!! Agora a melada que fizeram com o nome do diretor na mesma dispensa comentários.

segunda-feira, dezembro 25, 2006

COSTINHA - O PERU DA FESTA

O presentinho de Natal do VÁ E VEJA para todos os seus amigos e visitantes. Um grande abraço a todos e desde já agradeço pela boa receptividade que esse blog conseguiu em pouco mais de 5 meses. Valeu! :)


O PERU DA FESTA - VOL. 1

http://www.filesend.net/download.php?f=82cb25a52301448665839c0563033571

O PERU DA FESTA - VOL. 2

http://www.filesend.net/download.php?f=2d44a1e40af47c0281b280ffeee77f04

O PERU DA FESTA - VOL. 3

http://www.filesend.net/download.php?f=ff0cfae53471d1a29bb6b1be379bbdc7

O PERU DA FESTA - VOL. 4

http://www.filesend.net/download.php?f=46756341ec35c57e04aa22cf8b1e2dc5

O PERU DA FESTA - VOL. 5

http://www.filesend.net/download.php?f=3b556455ffe2aec8c2e29505d5dc7978

quarta-feira, dezembro 20, 2006

TOP 10: CINEMA

10 filmes que eu vi (ou revi, em alguns casos) no cinema e julguei importantes pro ano de 2006:

CACHÉ - Pensei.... pensei novamente e depois pensei mais duas vezes. Tenho que começar por esse filme impecável, provocante e assustador filme de Haneke. Umas das obras-primas cinematográficas deste início de século. É impossível sair de uma sessão de CACHÉ e continuar sendo a mesma pessoa de quase 2h atrás.

EL LABIRINTO DEL FAUNO - Falando em obras-primas, temos o grande prazer de assistir a esta do Guillermo Del Toro logo no finalzinho de 2006. Uma deslumbrante e inesquecível experiência cinematográfica que me fez pensar durante horas a fio no quanto os seres humanos podem ser bem mais cruéis do que os monstros que nos amedrontavam na infãncia.

MUNIQUE - Spielberg faz o seu melhor filme desde TUBARÃO. Nunca pensei que veria algo tão corajoso, violento, complexo e principalmente adulto de um cineasta que estava se contentando em fazer algumas besteiras de vez em quando como a nova versão de A GUERRA DOS MUNDOS.

SYRIANA - Esse só entrou agora por causa de uma revisão recente em DVD. Trata-se de um grande filme que merece ser mais visto e debatido. Nunca os mecanismos do jogo de interesses que está presente na guerra pelo petróleo foram tão bem explorados antes por essa arte que nós tanto amamos. SYRIANA é cinema de primeira qualidade. Quem deu aquele típico beijinho na(o) namorada(o) enquanto o assistia no cinema por poucos segundos se fudeu bonitinho, pois o filme exige a nossa completa atenção. E isso, meus caros, poucos conseguem fazer.

MATCH POINT - Quando eu já estava começando a ficar decepcionado com a recente filmografia daquela figura chamada Woody Allen, eis que ela chega nos entregando uma de suas obras-primas sem qualquer alarde. Filmaço!

OS INFILTRADOS - Só um monstro do calibre de Martin Scorsese para me deixar grudado na cadeira durante 2h30min com uma trama que eu já conhecia de cabo a rabo.

MIAMI VICE - Como filmar com tesão por Michael Mann.

OS TRÊS ENTERROS DE MELQUIADES ESTRADA - Tommy Lee Jones fez bonito em sua estréia no cinema como diretor. Fortemente inspirado por TRAGAM-ME A CABEÇA DE ALFREDO GARCIA, OS TRÊS ENTERROS... é um belo filme sobre a amizade de dois homens comuns levada até as últimas conseqüências. Atuações fantásticas e cenas inesquecíveis.

CINEMA, ASPIRINAS ® E URUBUS - Pode-se dizer que Marcelo Gomes está entre os poucos realizadores que fazem cinema de longa-metragem no Brasil sem a menor intenção de bancar o intelectualóide ou de fazer novela em formato scope. Esse belo filme sobre o início e o fim da amizade de dois homens comuns foi um dos poucos filmes nacionais vistos este ano que não me deixaram com a sensação de tempo perdido. Ele foi o meu BENS CONFISCADOS de 2006.

A ÚLTIMA NOITE - Muito obrigado, Sr. Altman.

** Top sem ordem de preferência.

terça-feira, dezembro 19, 2006

Trilha completa de LADY VENGEANCE


Estou me sentindo um verdadeiro mané... o último a saber mesmo. Fui acessar a página oficial deste novo e elogiado filme de Chan-wook Park e acabei me deparando com a trilha sonora completa disponível gratuitamente para download na seção "media". Preciso dividir esse achado com outra pobre alma fã de trilhas sonoras que também ficou todo esse tempo sem saber. Dei uma rápida sacada e a trilha é no mesmo estilo clássico da composta para OLDBOY, o filme anterior da "trilogia da vingança".

Tracklist:

01 - Sympathy For Lady Vengeance
02 - Guemja's Prayer
03 - None of Your Business
04 - A Witch
05 - A Spy
06 - Fatality
07 - Sunny Afternoon
08 - You've Changed
09 - Marble
10 - The Angel
11 - Farewell
12 - Lullaby
13 - The Letter
14 - Crime and Punishment
15 - Pull The Trigger
16 - Wicked Cake
17 - Unhappy Party
18 - Mareta, Mareta No'm Faces Plorar
19 - Sympathy For Lady Vegeance (alternate take)
20 - Lullaby (alternate take)

quarta-feira, dezembro 13, 2006

Peter Boyle

1935 - 2006

terça-feira, dezembro 12, 2006

JOINT SECURITY AREA é lançado em DVD


Ano de Lançamento: 2006
Distribuidora: Europa Filmes
Duração: 110 minutos
País/Ano de Produção: CORÉIA DO SUL / 2000
Áudio: Português Dolby Digital 2.0, Português Dolby Digital 5.1, Coreano Dolby Digital 2.0, Coreano Dolby Digital 5.0
Idioma: Coreano, Português
Legenda: Português
Formato da Tela: Widescreen
Processo Digital: Ntsc
Extras: Making-of, Entrevistas, Videoclipe

** Mesmo com o título genérico, temos mais um filme do Chan-wook Park lançado no mercado brasileiro. Antes tarde do que nunca. O disco duplo está custando R$ 29,90 em algumas lojas virtuais.

segunda-feira, dezembro 11, 2006

É isso aí!

Nacionalistas deviam agradecer Hollywood

IGOR GIELOW
SECRETÁRIO DE REDAÇÃO
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O aspecto mais curioso do nacionalismo brasileiro é que ele se manifesta por conta dos motivos mais risíveis. Como uma dermatite dormente, só explode em comichão de tempos em tempos, reagindo a "ameaças". Os defensores da nação brasileira agora miram alvo fácil, um filmeco B. "Turistas" mostra uma terra de ninguém em que você pode se dar mal na mão dos locais e acabar sem um rim, talvez coisa pior.
Estereótipos? Bravo nacionalista, passe a noite numa "no-go area" de qualquer cidade brasileira e me conte depois. O filme fantasia sobre eventos que estão no noticiário. A realidade não o incomoda? Ah, mas você usou a camisa do "Eu sou da paz" quando foi moda, ou quando a realidade tocou alguém próximo. Mas sem sair do shopping, ou do jipão blindado, não é? No máximo, deu um trocado para o projeto que um amigo do amigo seu toca naquela favela -qual mesmo?
"Turistas" deve ser tolo, trash. Não sei, só li a respeito. Mas absurdo é acreditar que isso, e não a indecência do nosso cotidiano, irá manchar a imagem pátria. É como se o ótimo "Massacre da Serra Elétrica" (1974) o levasse a crer que o Texas é uma terra de canibais. Há vários motivos para não ir à terra dos Bush, mas medo de virar almoço não é um deles.
O nacionalismo local é burlesco, o que acaba sendo algo bom. Nacionalismo é perigoso. A lista de "ismos" associados a ele fala por si só: fascismo, nazismo, jacobinismo, imperialismo, comunismo e afins.
Nossa variante é tão fajuta que apareceu só depois da formação do Estado nacional, com certeza por ser bom negócio. De tempos em tempos, volta: Estado Novo, ditadura militar e, agora, no governo Lula. Dificilmente haveria um presidente mais adequado para o clima de boicote xenofóbico.
Afinal de contas, Lula não gosta de jornalista gringo que não fale bem do governo (na verdade, não gosta de nenhum que não fale bem), estimula empresa amiga a dizer que "sou brasileira, com muito orgulho", diz que "brasileiro não desiste nunca", exalta a trinca cachaça-feijoada-pagodinho e até torrou US$ 10 milhões para levar um brazuca de carona ao espaço. Na terra dos mensalões, a jequice desfila livre.
Espera-se que Lula não repita FHC e perca seu tempo passando recibo, como o tucano fez com quando os "Simpsons" avacalharam o Rio. Alguém pode perceber, e verá que a matéria-prima para a crítica abunda. Os nacionalistas deviam é agradecer o fato de que Hollywood não nos leva a sério.

*** Agradeço ao amigo André Balaio pelo envio do e-mail com esse ótimo texto.

quinta-feira, dezembro 07, 2006

quarta-feira, dezembro 06, 2006

ZINGU! # 3 online!!


A nova edição da ZINGU! está tão imperdível quanto as duas anteriores e as que virão. Mas esta é especialíssima. O destaque principal é uma grande figura do nosso cinema brasileiro chamada Ivan Cardoso. O dossiê deste mês foi inteiramente dedicado a ele e conta ainda com uma entrevista muito sincera (e bote sincera nisso...) cedida pelo próprio ao cinéfilo e editor-chefe Matheus Trunk. Há também uma bela homenagem a Jece Valadão, um dos últimos ídolos do nosso cinema, que partiu do nosso plano terrestre na semana passada. Não poderia deixar de recomendar também o comentário do nosso amigo Marcelo Carrard sobre o clássico CANNIBAL HOLOCAUST na sua coluna Cinema Extremo. Enfim, como sempre, tem muito conteúdo legal para o nosso deleite na nova edição desta nova revista online que veio para ficar. Ainda não a li na maneira ideal, mas posso mandar meus parabéns sem nenhum receio a toda equipe mais uma vez.

Acesse: www.revistazingu.blogspot.com

Tô sem palavras!



Exibição especial de VÁ E VEJA no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco, em Recife.

Data: 21 de Dezembro
Horário: 15h40min

terça-feira, dezembro 05, 2006

MOSTRAS EM RECIFE

Uma pequena prestação de serviço aos amigos e leitores recifenses... fui um pouco atrasado, mas ainda tá valendo. Falou!!

5° FESTIVAL VARILUX DE CINEMA FRANCÊS

HOJE, dia 05, às 20h20 – Cineteatro Apolo

PARIS, EU TE AMO
Paris Je T'Aime, França, 2006, De Olivier Assayas, Frédéric Auburtin, Gurinder Chadha, Sylvain Chomet, Vincenzo Natali, Joel Coen, Ethan Coen, Walter Salles e outros. Com Juliette Binoche, Sergio Castelitto, Natalie Portman e Ludvine Seigner. Este é um filme coletivo, realizado por 23 cineastas de nacionalidades e estilos diversos, em que Paris é a personagem principal, desvendada através de histórias de amor e situações inusitadas. Cada diretor teve cinco minutos para ilustrar esta maravilhosa homenagem à capital francesa, tendo como suporte um grandioso e irresistível elenco de estrelas internacionais.

110 min. / Pandora / Dolby SR / Inédito / 14 anos / Plano

-------------------------------------------------------------------------------
quarta-feira, 06

17h50 – A cidade está tranqüila (CINEMA DA FUNDAÇÃO)

20h20 – No calor do verão – (CINETEATRO APOLO)

-------------------------------------------------------------------------------
quinta-feira, 07

20h – A cidade está tranqüila (2ª exibição) - (CINEMA DA FUNDAÇÃO)

-------------------------------------------------------------------------------

VIII Festival de Vídeo de PE

Para conferir a programação e maiores informações, clique no link abaixo:

http://www.recife.pe.gov.br/modelo.php?id=168&Tipo=D

Que ridículo...

É por isso que esse país não vai pra frente!!


Protagonista do longa 'Turistas' pede desculpas a Governo e ao povo brasileiro

02/12/2006 13:16:00

O protagonista do filme "Turistas" da Fox, Josh Duhamel, em entrevista ao “The Tonight Show with Jay Leno”, talk show de grande audiência transmitido em cadeia nacional pela NBC, pediu desculpas ao Governo e ao povo brasileiro. O ator elogiou o país e afirmou que o filme não pretende dissuadir as pessoas de visitarem o Brasil.

O longa rodado no Brasil conta a história de um grupo de jovens em férias, que acaba vítima de uma quadrilha de tráfico de órgãos na selva amazônica. O filme estreou sob duras críticas da imprensa dos Estados Unidos.

O Ministério do Turismo planeja reagir contra os efeitos negativos que possam ser criados pelo filme norte-americano “Turistas”, que estreou nesta sexta-feira.

Por meio da Embratur, unidade responsável pela promoção do Destino Brasil no exterior, o ministério do Turismo conta com um plano de ações de relações públicas para minimizar os efeitos negativos do filme à imagem do Brasil – em curso desde o dia 10 de novembro. Trata-se de um programa chamado Monitor Brasil, que acompanha o que é publicado sobre o País na imprensa internacional. A repercussão de Turistas é monitorada nos Estados Unidos.

O Instituto deve utilizar o filme como uma vantagem estratégica, transformando o lançamento em uma oportunidade para fazer uma aproximação com a mídia norte-americana e abordar o Brasil real, suas belezas e cultura. O plano de ações – executado pela Olgilvy PR, parceira da agência de RP que atende o Instituto – inclui a divulgação, a diferentes públicos, de diversos destinos turísticos brasileiros, a começar pelos que são mostrados no filme, como Rio de Janeiro e Bahia.

O acompanhamento de tudo o que é publicado sobre o Brasil é um dos trabalhos que está contribuindo para o aumento da entrada de turistas estrangeiros no Brasil e, por conseqüência, do gasto deles aqui. Neste ano, espera-se que possa cheguar até a US$ 4,4 bilhões a receita gerada ao País pelos visitantes internacionais – recorde sobre os US$ 3,8 bilhões contabilizados em 2005, melhor ano até então.

Filme não foi bem recebido por crítica

"Turistas" da Fox Atomic, braço dos estúdios Fox para um público entre 17 e 24 anos, não foi bem recebido pela crítica. Resenha da revista “Variety”, publicação de referência em cinema, destaca que o filme de horror dirigido por John Stockwell “é mais desagradável que assustador e tem um detestável americano como protagonista”. Diz ainda que é “um filme bobo para ser esquecido”.

Mesma linha segue a crítica do jornal “New York Times”. Diz que “esses estúpidos do horror” levariam chicotadas na prisão se a estupidez fosse crime. Já o “New York Daily Times”, que pede aos leitores para tomarem cuidado com a armadilha de “Turistas”, contextualiza que esta mais nova película de uma lista sem-fim de thrillers de jovens em perigo ao menos oferece a “vantagem visual de uma locação exótica e bela”. Antes mesmo do lançamento no país, “Turistas” também já repercute mal no Canadá. O jornal “Edmonton Sun” comenta que o filme é “surpreendentemente chato e turvo”.

A indústria do cinema tem observado um ressurgimento da popularidade dos filmes de horror nos últimos dois anos. “Turistas” é um entre diversos filmes de horror estreando nos Estados Unidos nos próximos 18 meses, podendo se passar em qualquer país que os norte-americanos considerassem exótico. O próprio roteirista, Michael Ross, em entrevista ao site “Dread Central” (www.dreadcentral.com), declarou que, originalmente, “Turistas” se passaria na Guatemala.

“O filme é uma obra de ficção e acreditamos que o expectador saberá diferenciar a realidade da ficção. A única coisa verdadeira que mostra são as belezas naturais do Brasil”, afirmou a presidente da EMBRATUR (Instituto Brasileiro de Turismo), Jeanine Pires.

Fonte: www.gazetaonline.com.br


** E esses "críticuzinhos" preconceituosos de merda prestam um verdadeiro desserviço ao seu leitor e à imprensa jornalística mundial e só fazem manchar ainda mais o respeito que algumas pessoas tem pela categoria.

segunda-feira, dezembro 04, 2006

A PROFECIA (The Omen, 1976, EUA)

Eu tinha uns 14 anos quando assisti A PROFECIA pela primeira vez. Foi uma experiência cinematográfica particularmente perturbadora e difícil de se esquecer, pois sequer imaginava que filmes de terror poderiam ser tão realistas (desde que a gente entre no clima, lógico). Enfim, eu não estava preparado para o impacto que o filme transmite ao seu espectador, mesmo com a censura batendo com a minha idade na época. E aquela trilha sonora maravilhosamente sinistra de Jerry Goldsmith colaborou bastante para o efeito que ele teve na minha vida de cinéfilo. Aí só fui revê-lo de maneira decente só agora neste finalzinho de 2006, mais precisamente no último domingo. Meus caros, este filme é simplesmente um clássico. Ele já começa mostrando que é caceteiro, com créditos de abertura musicados pela clássica AVE SATANI e a imagem de Damien e sua sombra, que é uma cruz de cabeça para baixo!! Vôte!

A PROFECIA inicia com o diplomata americano Richard Thorn (um memorável Gregory Peck) a caminho do hospital onde sua esposa Katherine (Lee Remick) está internada para trabalho de parto. Chegando lá, ele descobre que o seu filho morreu, mas acaba adotando uma criança nascida no mesmo dia cuja mãe também faleceu através do padre responsável pelo setor de adoções da maternidade sem o consentimento da sua amada. Anos depois da adoção, acontecimentos estranhos passam a fazer parte da rotina da família Thorn e outros personagens como o Padre Brennan (Patrick Troughton, perfeito!), o fotógrafo Keith Jennings (David Warner) e a babá Srta. Baylock (Billie Whitelaw) acabam se envolvendo numa trama inesquecível que nos revela aos poucos de que o pequeno Damien (Harvey Stephens) é, de fato, o filho do demônio.

O filme é exemplar e tem tudo a seu favor. Richard Donner consegue ser simples e elegante ao mesmo tempo na sua direção, contribuindo para a força do roteiro de David Seltzer. O seu objetivo foi fazer exatamente aquilo que me deixou tão impressionado antes e que ficou ainda mais visível nesta revisão: um filme de terror que faz o espectador pensar na possibilidade daquilo tudo acontecer na vida real. Se ficamos apreensivos só de pensar que o demo está presente no nosso planeta como um ser humano, imagina então se ele estivesse no corpo de uma criança? Vôte de novo!

Como falei antes, Gregory Peck tem uma atuação marcante como Richard Thorn e posso dizer que fiquei comovido com seu personagem em vários momentos. E o restante do elenco principal é de uma categoria indescritível. Quem gosta de boas atuações sabe que cada um deles acaba brilhando em alguma seqüência, principalmente Billie Whitelaw e Patrick Troughton que aproveitam ao máximo o seu tempo de cena.

Mas o clima aterrorizante de A PROFECIA não seria tão inesquecível se não fosse pela já citada trilha sonora fodástica (junção de foda com fantástica, enriqueça o seu vocabulário. VÁ E VEJA é cultura hehe) de Jerry Goldsmith. Ela nos provoca de uma maneira que só vendo e ouvindo o filme para crer. As partituras receberam o Oscar de Melhor Trilha Sonora, numa das pouquíssimas vezes que o Oscar fez justiça a alguma produção do gênero. O garotinho Harvey Stephens foi muito bem escolhido e dirigido por Donner, tendo aqui um dos melhores e mais citados desempenhos de um ator mirim. O famoso sorriso dele na conclusão ainda é algo de gelar a espinha. Há ainda uma série de várias cenas antológicas, como a do empalamento, a do zoológico, a do velocípede, os cães no cemitério e a decapitação que é vista através de três ângulos diferentes!! Nelas, a elogiosa montagem do veterano Stuart Baird ganha um merecido destaque.

Se você é fã de terror e ainda não assistiu A PROFECIA, nem queira perder seu tempo com a recente refilmagem (que é até legal e fiel, mas inferior) e assista logo ao original em toda a sua glória.

quarta-feira, novembro 29, 2006

terça-feira, novembro 28, 2006

domingo, novembro 26, 2006

BERNIE (Idem, 96, FRA)



A primeira vez que reparei no rosto e no talento de Albert Dupontel ocorreu em meados de 2004 quando vi o polêmico IRREVERSÍVEL. Depois tive o grande prazer de vê-lo novamente no tenso e inesquecível ASSALTO AO CARRO FORTE, puta filme que agora está colecionando poeira nas prateleiras das locadoras. Por causa deste último, passei a olhar para este artista, até então desconhecido pela minha pessoa, com outros olhos.

Há duas semanas atrás, o Cinema da Fundação Joaquim Nabuco aqui em Recife anunciou uma mostra especial de comédias francesas e BERNIE, a estréia na direção de Dupontel, estava programado para ser exibido. Acabei deixando de aproveitar aquele tempo disponível para ver OS INFILTRADOS que tinha acabado de estreiar, mas este todo mundo sabe que ocasiões para assistir a um filme daquele porte na tela grande não devem faltar por umas três semanas após a primeira exibição.

BERNIE é o nome do protagonista, também interpretado pelo diretor e roteirista Dupontel. Ele é um homem de 30 anos que sai do orfanato com as suas economias bem consideráveis e está determinado a achar os seus pais que o deixaram jogado no latão de lixo quando ainda era um bebê. Bem... se não fosse pela grotesca imagem que acompanha esse post, você juraria que o filme era um dramalhão daqueles. O porém é o simples fato da personagem não ter a mínima noção do que é viver em sociedade, resultando em ações e reações um tanto desagradáveis.

O humor corrosivo de Albert Dupontel é destilado durante toda a duração do filme, que utiliza algumas seqüências dignas de figurar num legítimo representante do cinema extremo. Portanto, muitos espectadores poderão ficar chocados. Até agora só vi esses três filmes com o autor, mas creio que posso dizer que trata-se de um dos seus melhores desempenhos. Em diversos momentos, o perturbado Bernie chega a assustar pela sua completa inocência e falta de bom senso.

Dupontel ainda mostra ser bom diretor de atores, pois ninguém do elenco de BERNIE desaponta. Todas as atuações estão muito bem adequadas ao clima insano da produção. As insistentes comparações que fazem da condução deste filme com o estilo de Tarantino não devem ser levadas muito a sério. Meu conselho: simplesmente relaxe e aproveite aproximadas 1h30min de pura tiração de sarro com a sociedade em geral.

PS 1 - Finalmente vi OS INFILTRADOS nesta tarde de domingo. Gostei muito, mas CONFLITOS INTERNOS continua superior. Depois escrevo melhor sobre ele aqui.

PS 2 - Ainda bem que a ZINGU! é mensal, pois ela merece ser degustada como um bom vinho: aos poucos e com toda a atenção para a sutileza do seu sabor. Finalmente me lembrei de divulgar neste espaço a segunda edição desta revista eletrônica que vem ganhando leitores fiéis e adeptos a sua postura de falar de cinema com total ausência de frescuras por parte de um time de gente que realmente é apaixonada pelo assunto. Simplesmente imperdível!! E quem responder o quiz ganha uma tubaína de 2 LTS. paga pela equipe!!! hehehe.

domingo, novembro 19, 2006

PIQUENIQUE NA MONTANHA MISTERIOSA (PICNIC AT HANGING ROCK, 1975, AUS)


Hipnotizante. Memorável. Pertubardor. Esses três adjetivos se encaixam como uma luva em PIQUENIQUE NA MONTANHA MISTERIOSA, um filme que fez a crítica e o público internacional olhar para o cinema australiano com mais atenção. Fazem poucas horas que o assisti e continuo hipnotizado por aquelas belas imagens dos personagens na montanha acompanhadas pela trilha sonora inesquecível cujo tema principal é executado pelo Zamfir.

O filme trata de um misterioso acontecimento ocorrido na Austrália em 1900 durante um piqueninque organizado por um colégio interno de garotas quando quatro delas decidem conhecer uma montanha. Três não retornam conforme combinado e a restante volta gritando. A coordenadora do passeio também desaparece sem deixar vestígios. A partir daí, o espectador se sentirá um verdadeiro "voyeur" ao observar o desenrolar dos acontecimentos posteriores até a derradeira conclusão, graças ao talento de Peter Weir revelado ao mundo neste seu segundo longa-metragem. Talvez eu faça um comentário mais longo a respeito dele futuramente, mas agora não pretendo falar muita coisa para não entregar algum "spoiler" sem intenção. Se você é daquele tipo de espectador impaciente com narrativas mais densas ou estiver esperando um filme de suspense com doses cavalares de tensão, passe longe deste aqui. O filme é uma bela experiência cinematográfica construída a partir do fato real acima descrito e ponto final.

O DVD nacional está satisfatório. Ele é um disco promocional vendido nas Americanas e Carrefours da vida por 10 reais que tem também VALMONT de Milos Forman. Verdadeira pechincha para colecionadores. O filme em questão foi extraído da versão do diretor da Criterion Collection, só que com som stereo 2.0 (ao invés de 5.1 na versão original) e a imagem revela perdas de qualidade sofridas pela compressão em alguns momentos.

terça-feira, novembro 14, 2006

quarta-feira, novembro 08, 2006

REVOLVER - CENA DO RESTAURANTE

REVOLVER (Idem, 2005)


"O inimigo se esconderá no último lugar em que você o procuraria."

Julius Caesar


É com essa bela citação que o tão criticado novo filme do Guy Ritchie começa. A maioria esmagadora do público e crítica o detonaram sem piedade, mas acredito que o único motivo dessa má recepção tenha sido o fato de praticamente ninguém esperar algo tão fora do lugar-comum vindo do cara que nos brindou com os divertidíssimos JOGOS, TRAPAÇAS E DOIS CANOS FUMEGANTES e SNATCH. E outra, o grande público cada vez mais tem ficado com preguiça de pensar. Tudo graças à TV e aos exemplares de cinema "fast-food" jogados toda semana nos multiplexes. Os anteriores de Ritchie, embora despretensiosos e feitos unicamente para diversão, não fazem parte dessa leva.

O filme é um passo adiante na carreira do realizador britânico. Ritchie realizou um longa ousado, diferente e complexo. Tanto que, ao contrário dos seus outros filmes, ele só tende a crescer depois de uma revisão. Produzido por Luc Besson, REVOLVER acompanha o golpista Jake Green (Jason Statham, em seu melhor desempenho) após a sua saída da cadeia, onde passou sete anos de reclusão por causa de um incidente acontecido quando jogava cartas para Macha (Ray Liotta, demais!), líder da jogatina na cidade e chefe do crime. Três anos depois, o protagonista e seu grupo vai ao cassino do poderoso gangster com a intenção de arrancar uma boa quantidade de grana dele. E conseguem levar milhões da mesa de jogos...

Prefiro não entrar em maiores detalhes sobre o que acontece a seguir, mas Jake acaba envolvido com uma dupla misteriosa. Zach (Vincent Pastore, da série FAMÍLIA SOPRANO e OS BONS COMPANHEIROS) e Avi (André Benjamin, do grupo musical Outkast, que não deixa a desejar no seu papel) o comunicam de que ele apenas tem três dias de vida e que só irão ajudá-lo a acabar com Macha se todo o seu dinheiro lhes for repassado. Jake não leva aquilo a sério e começa a visitar vários médicos que confirmam aquilo que foi dito pelos dois sujeitos nada amigáveis. Acuado, o golpista deverá tomar uma decisão.

Devo estar procurando pêlo em casca de ovo, pois penso que REVOLVER possa ser considerado uma obra de arte. Nunca imaginava a quantidade de momentos que ficariam grudados na minha cabeça dias depois de tê-lo assistido. Dentre eles, há a queda nos degraus de uma pequena escada ao som da clássica "Lacrimosa" composta por Mozart (que por sinal toca na genial e brilhante montagem final de VÁ E VEJA, filme que batizou este blog), a situação desesperadora pela qual um dos personagens passa debaixo da mesa de um restaurante (PQP, que agonia!!) e tudo que é passado por Jake e Macha quando o primeiro invade a privacidade do sono do último. As atuações de Statham e Liotta estão impagáveis nessa cena, principalmente Liotta. Já Mark Strong se destaca entre os coadjuvantes, seria difícil até de dar mais atenção aos próprios protagonistas caso o seu Sorter - um respeitado assassino profissional - tivesse um tempo maior em cena. Mas pode-se dizer que Strong acabou sendo presenteado pelo roteiro de Ritchie (cujos diálogos continuam divertidos e afiados) por participar em algumas das melhores seqüências do filme.

Finalizando, recomendo REVOLVER já sabendo que se trata de uma recomendação difícil de ser feita pela reviravolta geral que ocorre na sua estrutura quando o filme chega perto do final. A minha surpresa maior foi ver Guy Ritchie se utilizar desta vez do seu estilo narrativo, personagens tronchos e de uma traminha aparentemente simples de jogos e trapaças para transmitir algo além de diversão ao espectador. Valeu a pena.

terça-feira, novembro 07, 2006

É sexta-feira...


Não consigo mais evitar tamanha ansiedade e saibam que estou contando os dias pra chegar logo o final de semana! Também não é para menos, Martin Scorsese finalmente deixou qualquer outro tipo de história de lado e voltou a mostrar interesse no cinema policial, que é o gênero onde ele se dá melhor. OS INFILTRADOS deve ser um programa, no mínimo, imperdível para qualquer cinéfilo que se preze.

sexta-feira, novembro 03, 2006

Uma Homenagem



Se Charles Bronson estivesse vivo hoje, completaria 85 anos de idade. Marcelo Nova (se não me engano...) disse: "Quando Charles Bronson morreu, o mundo ficou mais gay". Preciso dizer que assino embaixo?

segunda-feira, outubro 30, 2006

Weird Al - Smells Like Nirvana



Tá difícil de arranjar mais tempo para escrever melhor sobre alguns filmes que curti muito ter visto nessas duas últimas semanas deste mês de outubro. Também aconteceram algumas coisinhas nada legais comigo (problemas pessoais, assalto à mão armada...) que deixam qualquer pessoa um tanto chateada por dentro e sem muita vontade de fazer algo além de tentar se distrair ao máximo. No meu caso, cinema, música e literatura se tornam santos remédios, principalmente o primeiro hehe. Só nesse final de semana, vi 5 filmes: REVOLVER (o novo de Guy Ritchie), OS FUGITIVOS, DESTRUCTION FORCE, MATADORES DE VELHINHA e ILS. Os que mais gostei foram o primeiro, o terceiro e o último.

Espero que essa semana dê uma desafogada de ritmo e seja melhor. É trampo de manhã à noite, faculdade, trabalhos para entregar a professores... aí o blog fica sendo prejudicado de atualizações mais constantes. O pouco tempo livre que tenho na Internet durante a semana acaba sendo dedicado na resposta de e-mails e scraps via orkut.

Só para não deixar os visitantes que acessam aqui todo dia sem diversão, posto essa hilária e clássica paródia do clipe de Smells Like Teen Spirit do Nirvana feita pelo genial Weird Al Yankovic. Abraços a todos.

quarta-feira, outubro 25, 2006

PARTE 1: ENTREVISTA TERENCE HILL E BUD SPENCER



Aqui fica essa homenagem a dois atores que fizeram e continuam fazendo parte da infância de várias gerações.

Agradecimentos a Marcelo Andreazza pelos links.

PARTE 2: ENTREVISTA TERENCE HILL E BUD SPENCER

sexta-feira, outubro 20, 2006

DVD'S de Terror e Suspense


ESCURIDÃO (The Dark, 2005) - Esse filme dividiu opiniões quando foi lançado nos cinemas em meados de janeiro / fevereiro deste ano. ESCURIDÃO é dirigido pelo John Fawcett do elogiado POSSUÍDA. A produção tem o País de Gales como cenário (o que ajudou na atmosfera) e Maria Bello e Sean Bean como protagonistas. A falta de originalidade não o ajuda muito, pois ele dá uma chupinhada legal no cinema de terror asiático. Até nos remakes, tem uma cena de suicídio que apresenta um enquadramento praticamente idêntico ao que aparece no vídeo macabro de O CHAMADO. Eu gosto da Maria Bello, mas outro porém do filme é que nem a trama principal e nem a sua personagem me envolveram o bastante. Deve haver algo errado em qualquer história onde você não consegue se importar muito com uma mãe cuja filha desaparece subitamente. Talvez o reveja ano que vem.


CRY_WOLF - O JOGO DA MENTIRA (Cry_Wolf, 2005) - Antes de me concentrar nos lançamentos DTV (direct-to-video), falo deste terror "teen" que tinha tudo para ser muito ruim. Vamos em partes. Elenco adolescente recheado de "baby-faces", censura PG-13 nos Estados Unidos, participação de Jon Bon Jovi. Horripilante, não é? Acabei o encarando numa tentativa de matar um tempinho no último feriadão e não é que ele funciona bem como rápido passatempo? Lógico que esse filminho com uma trama até previsível não é grande coisa, mas pelo menos é assistível, diferentemente daqueles "EU SEI ONDE VOCÊ DEU UMA CAGADA NO VERÃO PASSADO" etc e etc. Uma coisa bacana é que ele custou apenas 1 milhão de dólares e fez um relativo sucesso internacional. O curta MANUAL LABOR, do mesmo diretor Jeff Wadlow, é bem legal e está disponível como extra. Pena que nem o making-off e nem o elogiado curta anterior THE TOWER OF BABBLE, com narração de Kevin Spacey, não estejam no disco nacional.


MISTÉRIO NO LAGO (Beneath Still Waters, 2005) - Esculacharam tanto, tanto, tanto esse novo trabalho do Brian Yuzna para a sua Fantastic Factory que quando acabei de assistir achei qualidades nele. O elenco é bem fraco e os seus sotaques acabam até divertidos (a maioria dos atores são espanhóis, incluindo a sumida Diana Peñalver, de FOME ANIMAL, num papel pequeno), só que o filme tem uns pequenos momentos isolados que o colocam um pouquinho acima da média dos filmecos de terror padrão que infestam as locadoras. É aquilo... tinha 90 minutos livres e esse MISTÉRIO NO LAGO que o povo esculhambava tava dando sopa na prateleira, resolvi assistir e achei razoável. Yuzna é capaz de fazer melhor (vide o ótimo SOCIETY e o divertidíssimo O DENTISTA), mas as distribuidoras ainda lançam e continuam lançando filmes bem piores do que este. Gostei de algumas mortes, como a de um dos dois garotinhos do início do filme que tem o seu crânio aberto pelas mãos do vilão canastra na sua boca.


MONSTER MAN (Idem, 2003) - Se você curte filmes de terror em geral e uma boa comédia besteirol, pegue esse daqui sem qualquer preocupação. Dirigido e roteirizado por Michael Davis, o filme é perfeito para uma descompromissada sessão de domingo à tarde e agrada bastante como passatempo. A trama de MONSTER MAN é uma mistureba de OLHOS FAMINTOS + ENCURRALADO + MASSACRE DA SERRA ELÉTRICA e os seus protagonistas aquela típica dupla de marmanjos que só pensam em sexo. O filme brinca com vários clichês do gênero, mas não deixa de roubar a nossa atenção toda vez que a troncha figura do título pode aparecer com a sua caranga. A diversão está garantida e, mesmo demorando para aparecer, o gore também é bacana. Recomendado. Dos visitantes que postam aqui regularmente, acredito que Bruno C. Martino, Fernando Vasconcelos e Luiz Alexandre irão curtir muito o filme.

O mais legal é que assisti a todos em companhia de membros da minha família, o último foi com o meu irmão Anderson e o restante com o meu grande parceiro de sessões caseiras, o meu pai Osvaldão, que também viu ABISMO DO MEDO e outros filminhos leves comigo hehe.

terça-feira, outubro 17, 2006

segunda-feira, outubro 16, 2006

CIDADE VIOLENTA (Città Violenta, 1970)


Eu tinha me programado para assistir HARD CANDY e DÁLIA NEGRA neste feriadão, mas acabei surpreendido com a retirada do primeiro de cartaz logo na última quinta-feira, apenas 7 dias depois da sua estréia numa única sala de um dos multiplexes de Recife. Assisti ao novo trabalho do Brian De Palma no último sábado e uma decepção acabou sendo inevitável. Afinal, DÁLIA NEGRA foi, simplesmente, o meu primeiro De Palma numa sala de cinema. Ia comentá-lo agora se eu não tivesse assistido depois a esse belo exercício cinematográfico do Sergio Sollima com o grande Charles Bronson. Além do eterno Paul Kersey, CIDADE VIOLENTA também tem Jill Ireland, que foi o maior amor da vida de Bronson, e Telly Savalas se divertindo como um poderoso chefão do crime.

Só o início é matador. Os créditos de abertura são compostos em sua maioria por "fotos" tiradas de Jeff (Charles Bronson) enquanto passeia em companhia da sua amante Vanessa (Jill Ireland) ao som de mais outra impagável música-tema composta por Ennio Morricone, que teve marcante parceria com Sollima e define a atmosfera pessimista e densa do longa. Logo após, os dois personagens sofrem uma tensa perseguição a carro, num dos vários momentos memoráveis da produção. Depois de tudo, Jeff se vê preso e vítima de uma covarde traição. Vemos através de "flashbacks" que ele é um assassino profissional e que foi traído por Vanessa e um milionário chamado Coogan. O seu desejo de vingança aumenta a cada dia que passa e assim que sai da cadeia, ele vai atrás de informações para punir pessoalmente os traidores.

Serei direto. CIDADE VIOLENTA é daqueles filmes com tramas simplórias e até previsíveis, mas o que faz a diferença neles é como o diretor conduz o material. Só esse ano tivemos MIAMI VICE como exemplo dessa linha, onde Michael Mann nos deixa grudados na cadeira com alguns dos melhores planos e tiroteios urbanos do cinema recente. Sendo assim, CIDADE VIOLENTA é de fundamental importância na carreira de Bronson por ser um dos seus primeiros títulos onde ele encarna um vingador determinado. Outra coisa que me fez dar mais pontos ao filme é que não tem nenhuma alma bondosa e digna de pena ou simpatia nele. Como exemplo, dou o próprio protagonista que se mostra um completo FDP muitas vezes. É por isso que acabo gostando da maioria dos policiais e faroestes italianos, pois eles eram os melhores em lidar com esse tipo de personagem.

Charles Bronson foi muito bem escolhido para interpretar Jeff, um sujeito frio e de poucas palavras. Já a bela Jill Ireland não convence como uma "femme fatale" e Telly Savalas tem menos tempo em cena do que o esperado. Aliás, foi a partir da aparição do famoso intérprete de KOJAK que passei a perder interesse no filme. Uma pena, já que a primeira metade de CIDADE VIOLENTA pode ser considerada uma aula de cinema. Basta dizer que não há nenhum diálogo nos primeiros 10 minutos e que me faltam palavras para dizer o quanto a cena passada numa pista de corridas é fantástica. Sollima acabou virando um dos meus diretores prediletos graças a este e O DIA DA DESFORRA, sendo que aqui ele imprime um estilo mais seco e pesado. O silencioso final reservado a dois dos personagens dentro de um elevador também é uma coisa linda e inesperada. Coisa de quem sabe mesmo e adora fazer cinema.

De negativas, o confronto entre Bronson e Savalas decepciona e algumas cenas são mais longas do que o necessário. Mas fiquei feliz em finalmente assistir CIDADE VIOLENTA com excelente qualidade de imagem em widescreen num DVD comprado por 10 reais naqueles balaios de magazines. Apesar de não contar com os extras da edição da Anchor Bay, o DVD nacional da Spectra Nova (intitulado VIOLENT CITY) é uma aquisição válida na coleção de qualquer fã de cinema policial europeu e de Charles Bronson. O áudio no disco é mono, alternando entre o idioma inglês e italiano, pelo fato da cópia ser restaurada e integral.

PS1: O roteiro é escrito a 8 mãos!! Entre elas, Sollima e a cineasta Lina Wertmüller.

PS2: Alguém sabe se aquela aranha da cena da cadeia é real ou não? Se for mecânica, é uma das melhores que eu já vi.

sexta-feira, outubro 13, 2006

quarta-feira, outubro 11, 2006

terça-feira, outubro 03, 2006

VAMPIRE'S KISS



Uma montagem feita em homenagem ao filme VAMPIRE'S KISS, lançado aqui no Brasil como UM ESTRANHO VAMPIRO, achada no YouTube pelo amigo Fernando Vasconcelos. Tive de ir no IMDb pra checar se ele era mesmo dos anos 80, pois este é um dos filmes mais divertidos de tão tronchos que tive a chance de assistir. Nicolas Cage foi muito bem escolhido para compor o demente protagonista que acredita ter sido mordido por uma vampira (Jennifer Beals, de FLASHDANCE, hoje sumida).

O filme é uma comédia de humor negríssimo que culmina num final inacreditável. Nicolas Cage tem aqui um dos seus melhores desempenhos, onde manda ver no "over-acting" que é muito bem vindo para um personagem extremamente perturbado como aquele. Cage faz de tudo pelo seu personagem, inclusive comer uma barata viva!! VAMPIRE'S KISS merece muito ser lançado em DVD, principalmente naqueles balaios das Lojas Americanas e Carrefour hehe. Quero muito revê-lo algum dia.

PS: Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo não ver o vídeo.

segunda-feira, outubro 02, 2006

Notícias nem tão novas assim....

Resolvi postá-las aqui porque pode ter alguém que, assim como eu há pouquíssimos dias, ainda não saiba.

- Vocês se lembram que o diretor medíocre Uwe Boll (de HOUSE OF THE DEAD, ALONE IN THE DARK e BLOODRAYNE, esse último já comentado aqui) desafiou alguns dos seus críticos e até usuários do fórum do iMDB para uma luta de boxe?? As lutas seriam filmadas e utilizadas no seu novo filme POSTAL, baseado no videogame homônimo. Simplesmente, Boll acabou ganhando todas elas!!

Confiram o link que inclui um vídeo para maiores informações: http://www.aintitcool.com/node/30194

- Joan Chen e Tony Leung estarão no novo filme de Ang Lee, um drama de guerra passado em Shanghai intitulado SE JIE. O título americano da produção é LUST, CAUTION.

- E finalizando com chave de ouro, vim aqui editar esse post só para divulgar que a revista eletrônica e mensal de cinema ZINGU! já pode ser acessada desde ontem. O conteúdo de alta qualidade é garatido pelo jovem cinéfilo paulista Matheus Trunk e colaboradores do nível de Andrea Ormond, Marcelo Carrard e outros nomes notáveis do universo blogueiro. Vale e muito a pena visitá-la.

domingo, outubro 01, 2006

NAS GARRAS DO CRIME (Wild Side, 1995)


Antes de começar, devo dizer que estou comentando a edição brasileira em DVD da D+T Editora (lançada em 2003, acredito) que usa a VHS da Sunset Filmes como matriz. Portanto, o filme é apresentado com imagem em tela cheia, legendas embutidas e boa qualidade de som. É uma pena que oficialmente nós não possamos escolher entre a versão de 96 minutos - a comentada aqui - e a do diretor (feita a partir de anotações e observações de Donald Cammell pelo editor e amigo Frank Mazzola) que tem 111 minutos pelo fato desta nunca ter sido lançada no nosso país. Do jeito que está, LADO SELVAGEM - isso mesmo, eu sou chato e não vou usar aquele título chumbrega!! - é um filme com desenvolvimento e narrativa confusas que só pode ser recomendável para quem queira conhecer algo de Donald Cammell (assinando aqui com o pseudônimo Franklin Brauner), assistir a famosa cena de lesbianismo entre Anne Heche e Joan Chen (lógico!!) e pelas atuações do bom elenco, que também conta com Christopher Walken e Steven Bauer.

Infelizmente, sabe-se que Donald Cammell cometeu suicídio pouco tempo depois do lançamento deste filme. Muitos acreditam que a briga com os produtores - que demitiram Frank Mazzola (apesar do nome dele continuar nos créditos) e reeditaram tudo ao seu jeito - tenha sido o principal motivo deste lamentável fato. A Nu Image queria aproveitar a polêmica levantada pelo relacionamento amoroso entre Anne Heche e a Ellen DeGeneres na época, pois LADO SELVAGEM, segundo eles, era um tedioso "filme de arte". Apesar dessa versão não ser a ideal, penso que um pouco do que Cammell queria passar ao espectador está presente. Também nota-se que o improviso rola solto nas interpretações em algumas cenas e ele faz com que Walken entregue uma das suas falas mais memoráveis: "You know what you get for rape? Ten years in a cell! With a gorilla! With a PSYCHO gorilla!"


Gostaria muito de conhecer a versão do diretor, porque a edição oficial só não é um típico filmeco de Cine Privé por causa dos motivos já citados no primeiro parágrafo. Há ainda outra cena memorável (a primeira é a da foto acima hehe) pela sua tremenda insanidade protagonizada por Walken e Bauer. Esse último foi muito bem escalado e Bruno Buckingham é um dos tipos mais dementes da galeria de personagens esquisitos da filmografia de Christopher Walken, que deve estar ainda melhor na "director's cut".

quarta-feira, setembro 27, 2006

O DIA DA DESFORRA (La Resa dei Conti, 1966)


2006 está sendo bem positivo para mim, como fã de cinema. Apesar de não ter curtido tanto os lançamentos nos cinemas como no ano passado, eu estou vendo vários filmes bacanas que sequer tinha idéia de que seriam tão legais e outros queria conferir faz um bom tempo. TRAGAM-ME A CABEÇA DE ALFREDO GARCIA foi um deles e nesse último final de semana tive o grande prazer de assistir O DIA DA DESFORRA, um clássico dos faroestes italianos dirigido pelo talentosíssimo Sergio Sollima.

Preciso urgentemente ver mais filmes deste diretor. Só me lembro de ter visto FACE A FACE há exatos 7 anos atrás numa cópia em VHS dublada e com fullscreen assassino da Reserva Especial. Isso não me impediu de ficar impressionado com a grande mudança de comportamento sofrida pelo personagem do excelente Gian Maria Volonté. Ele deve mesmo ser um filmaço, como os amigos Otavio Pereira e Heraclito Maia fazem questão de afirmar. Aliás, Heraclito batizou o seu querido Blog da Desforra em homenagem a este filme que aqui comento e foi através do Otavio no Cineitalia que adquiri uma cópia dele em DVD-R.

A trama principal de O DIA DA DESFORRA tem início quando Jonathan Corbett (Lee Van Cleef), um famoso caçador de recompensas com aspirações políticas, que topa de imediato perseguir um exímio atirador de facas mexicano Cuchillo Sanchez (Tomas Milian, simplesmente maravilhoso), quando passa a saber numa típica festa da alta sociedade local patrocinada por Brockston (Walter Barnes) que o sujeito é acusado de violentar e matar uma menina de 12 anos. Cuchillo não se demonstra nada difícil de ser encontrado, só que ele sempre arranja uma maneira de fugir por causa da sua invejável esperteza, enquanto Corbett continua tentando botar as mãos nele.

Lee Van Cleef é o primeiro nome do elenco e está muito bem interpretando Corbett, um dos ótimos papéis que justificam a predileção deste ator em continuar trabalhando na Itália, mas o filme é mesmo de Tomas Milian. O cubano encarna Cuchillo com uma bela e inesquecível desenvoltura em sua atuação. Não consigo nem imaginar alguém compondo melhor esse ótimo e ambíguo personagem. O sujeito é tão carismático e palhaço que o espectador fica indeciso se torce para ele ser pego ou não, mesmo sendo acusado de um crime tão hediondo. Eu já era fã do Tomas Milian antes e agora fiquei mais ainda ao vê-lo neste que foi o papel que o consagrou.

Além de ser um programaço para qualquer fã de bangue-bangue italiano que irá reconhecer faces familiares dos filmes do período (Gerard Herter, Fernando Sancho, Nello Pazzafini, Benito Stefanelli e Lorenzo Robledo), O DIA DA DESFORRA também possui uma grande e válida crítica aos valores sociais daquela época que é feita sem prejudicar o entretenimento. Os vários momentos antológicos como a rápida estadia de Cuchillo na fazenda de uma viúva cobiçada pelos seus capangas, a "picada" da cobra e os duelos finais conseguem ficar ainda mais memoráveis por terem a marcante trilha do genial Ennio Morricone, que faz uso de "Pour Elise" composta por Beethoven num deles. Não se deve deixar de assistí-lo em widescreen, porque a condução de Sergio Sollima é bem auxiliada pela cinematografia de Carlo Carlini, que apresenta belíssimos ângulos e enquadramentos. O DIA DA DESFORRA é um ótimo filme que merece ser mais conhecido e tenho certeza de que gostarei mais dele quando o rever por causa da riqueza dos seus detalhes. Só não dou nota 10 para ele, pois preferia que a duração fosse maior hehehe.

OBS: Caso o visitante não tenha notado, mais links de blogs foram adicionados ao lado e acabei de colocar o tema completo do filme O RETORNO DE RINGO em MP3 no post do meu comentário sobre o mesmo.

sexta-feira, setembro 22, 2006

Filme troncho: MEDO X (Fear X, 2003)


Esse me deixou a pensar novamente numa frase que sempre aparece quando vejo algo que não tenha me deixado satisfeito: É preciso gostar mesmo de um filme para que ele seja considerado bom?? Porque não me sinto convencido o suficiente por MEDO X para falar bem dele, mas não posso negar as suas virtudes. O filme é o primeiro longa-metragem falando em inglês do realizador dinamarquês Nicolas Wilding Refn e tem John Turturro, um dos meus atores favoritos, como protagonista.

Harry Cain (Turturro, perfeito) se torna um sujeito obcecado e perturbado depois do assassinato da sua esposa Claire, que estava grávida. O crime foi cometido por um homem desconhecido dentro do estacionamento do shopping center onde Harry trabalha como vigilante. Além dela, os disparos de revólver também vitimaram um policial que estava no lugar. Para Harry, a sua vida acabou. Ele deseja descobrir quem foi responsável pela morte da esposa de qualquer maneira, passando a virar horas assistindo as fitas de segurança - conseguidas com a ajuda dos solidários colegas de trabalho - na esperança de enxergar o rosto dele. Harry afirma não querer se vingar, mas achar a resposta para uma pergunta que está martelando na sua cabeça: Por que?

É a partir daí que o filme segue com sua trama, desenvolvida por um roteiro co-escrito pelo próprio produtor/diretor e o falecido autor de RÉQUIEM POR UM SONHO, Hubert Selby Jr. Refn (vindo dos elogiados PUSHER e BLEEDER) realizou um trabalho visualmente bonito e de difícil digestão, cujo clima estranho recebe a grata ajuda da fotografia de Larry Smith, da trilha sonora com o dedo de Brian Eno e, logicamente, pelas atuações de Turturro e James Remar. O ator do clássico THE WARRIORS apenas aparece a partir do segundo ato da trama e está muito bem num pequeno, porém importante papel.

Pelo resultado final, fica a impressão que Nicolas Refn não conseguiu fazer um bom "thriller" e quis aparecer inserindo algumas imagens surrealistas no meio de tudo numa tentativa de criar ao máximo a sensação de estarmos assistindo a algo de David Lynch. Até os misteriosos corredores do hotel onde o personagem de Turturro se hospeda aparentam ter saídos de BARTON FINK e O ILUMINADO. A originalidade, como se vê, não é um dos seus pontos fortes. A conclusão, estilo "Pootz, já acabou??", também desanima.

Embora falho e prejudicado pela pretensão do diretor, achei MEDO X incomum o suficiente para me deixar pensando nos dois personagens centrais do filme em vários momentos desde que o vi no feriadão passado. Ele é um daqueles filmes que a gente tem de deixar claro que deve ser visto por nossa própria conta e risco quando se comenta sobre ele.

TRIVIA: O fracasso comercial do filme - filmado no Canadá e feito ao custo de 7 milhões de dólares - faliu a produtora de Nicolas Refn!! Com as duas bem recebidas continuações de PUSHER, que agora é uma trilogia, Refn conseguiu pagar suas dívidas.

quarta-feira, setembro 20, 2006

Dennis Hopper VS Christopher Walken



Um momento antológico da carreira dos dois atores. Além dela ser uma cena que por si só vale o dinheiro investido na locação ou compra de AMOR À QUEIMA-ROUPA (True Romance, 93), temos aqui um verdadeiro show em matéria de diálogos (cortesia de Tarantino) e atuações de Hopper e Walken. Na minha humilde opinião, ela é simplesmente fantástica e genial.

OBS: Link mais recomendado apenas para quem já viu o filme.

segunda-feira, setembro 18, 2006

Hong Kong em dose dupla

Pouco depois de ter lançado o blog, divulguei dois lançamentos de filmes asiáticos: PROFISSIONAIS DO CRIME (Fulltime Killer, 2001) e O JUSTICEIRO (Divergence, 2005). Agora que já assisti a ambos, vim comentá-los rapidamente por aqui.


PROFISSIONAIS DO CRIME foi lançado com um atraso de cinco anos pela Europa Filmes. É uma pena que o disco não contenha nenhum extra, caso de vários títulos recentes da distribuidora. Pelo menos, o filme veio com imagem em widescreen e áudio original em cantonês. Eu estava muito ansioso em assistí-lo por ser uma produção tão cultuada pela maioria dos fãs do cinema de ação feito em Hong Kong. Vale dizer que com isso crei uma expectativa tão grande nele que estava achando que assistiria a um novo CONFLITOS INTERNOS hehehe.

O filme tem de tudo para ser considerado um bom exemplar do gênero, mas deve desapontar um pouco aquele espectador que espera algo mais. Como vocês devem ter percebido, esse foi o meu caso. O mais legal em PROFISSIONAIS DO CRIME é que ele é um filme de referências, feito por gente que realmente ama o cinema de ação. Resumindo, é estilo (bem) acima de substância. Acho mais válido para fãs fervorosos do estilo, que poderão ter o prazer de acompanhar a disputa entre Tok (Andy Lau) e O (Takashi Sorimachi), os dois matadores protagonistas. Tok é uma figura, o cara deve ser o primeiro assassino profissional fã de cinema/quadrinhos/videogame do cinema!!


Infelizmente, DIVERGENCE foi lançado com um título nacional que realmente dispensa maiores comentários de tão patético. Por isso, só fiz questão de o citar no início do post para o leitor se situar. O disco da Flashstar também possui imagem em widescreen e áudio em cantonês (se bem me lembro...). De extras, temos apenas o trailer e galeria de foto. DIVERGÊNCIA é um filme bem diferente na filmografia de Benny Chan. Não posso dizer, entretanto, que ele seja original, já que algumas semelhanças com o já citado CONFLITOS INTERNOS são claras. Há até uma participação especial do ótimo Eric Tsang.

Enfim, é aquele típico filme onde vemos um belo argumento sendo desenvolvido e concluído de maneira insatisfatória por ele ser complexo demais para a sua duração pequena. 2 horas ao invés de 1h40min aqui cairiam muito bem. Mesmo com essa negativa, acho que vale conferir DIVERGÊNCIA por causa dos seus personagens, principalmente o policial sofredor Yuen, interpretado pelo Aaron Kwok (foto). As poucas cenas de ação - como uma perseguição a pé - também dão uma compensada nas falhas.

No geral, ambos ficam na média e ganham aquelas famosas três estrelinhas.

PS: Olhem para isso!! Valeu, Luiz!! :D

Clique Aqui

quinta-feira, setembro 14, 2006

O RETORNO DE RINGO (Il Ritorno di Ringo, 1965)


Eu não sei porque ainda não tinha comentado sobre algum filme italiano para o blog. Acredite, só fui reparar neste pequeno (e grande) detalhe um dia desses. Quem me conhece sabe que tenho muito carinho pelas produções italianas, principalmente os faroestes, os conhecidos "giallos" - aqueles filmes da turma de luva preta que se amarra em passar a faca no pessoal (pense como serei zoado depois dessa hehe) - e os "poliziesco" , mesmo só tendo assistido a MISTER SCARFACE e GANG WAR IN MILAN. Resolvi falar sobre um bangue-bangue à italiana que não posso deixar de recomendar para qualquer fã do estilo estrelado por Giuliano Gemma (ainda usando o famoso pseudônimo Montgomery Wood) chamado O RETORNO DE RINGO. Embora o DVD nacional deste filme que foi lançado pela Ocean Pictures tenha UMA PISTOLA PARA RINGO como título, o espectador irá assistir a seqüência oficial deste faroeste de sucesso dirigida pelo mesmo Duccio Tessari. Hoje em dia, não há mais desculpas para tamanho descuido em relação a isso, basta uma rápida consulta no IMDb e tirar qualquer dúvida sobre títulos.

Infelizmente, a matriz do disco é uma VHS pra lá de antiga com imagem em fullscreen, cortando os extremos laterais do enquadramento original. Tem uma cena em que Gemma vai falar e nada de vermos a cara dele!! É nessas horas que dá uma raiva danada por não estarmos assistindo a um filme em widescreen. Pelo menos, o longa-metragem está disponível no formato digital e pode ser encontrado com uma relativa facilidade nas locadoras. Para muitos, o filme chega a até ser mais famoso do que o seu antecessor ou O DÓLAR FURADO, que foram feitos no mesmo ano de 1964 e são responsáveis pela transformação de Giuliano Gemma numa verdadeira estrela do cinema italiano. Aqui mesmo no Brasil, O DÓLAR FURADO é bem mais lembrado pelos freqüentadores das matinês nos saudosos cinemas de bairro do que DJANGO e a trilogia dos dólares de Leone.

Os créditos de abertura são notáveis e tive de ficar imaginando como aquela cena ficaria em widescreen. Deve ser uma coisa linda, no mínimo. Ao som da inesquecível música-tema de Ennio Morricone (como de costume...), eles mostram Ringo (Gemma) voltando para casa depois de combater na Guerra Civil americana. Quando ele chega na cidade, vê que tudo está sendo dominado pelos irmãos Esteban (Fernando Sancho) e Paco Fuentes (George Martin), dois bandidos mexicanos, e que sua mulher Helen (Lorella de Luca) e filha são reféns deles. Ringo deixa crescer a barba para se disfarçar como um pobre mexicano e dificultar o reconhecimento dos moradores locais. Enquanto trabalha para um floricultor (Pajarito) apelidado de Morning Glory (é sério hehe), ele planeja uma vingança e tenta rever a sua família.

A cada filme que vejo de Giuliano Gemma, mais compreendo o motivo deste ator ter se tornado um astro. Além de esbanjar carisma, ele tem uma excelente presença em cena e era um verdadeiro galã. É por isso mesmo que a maioria dos personagens que interpretou nos faroestes estão envolvidos ou irão se envolver amorosamente com uma boa moça, algo que continua arrancando suspiros das espectadoras femininas.

O filme nos remete ao famoso poema A ODISSÉIA, de Homero, pelo fato de Ringo estar vivendo a mesma situação que Odisseu viveu na sua volta ao lar depois de sobreviver a todas as duras batalhas que enfrentou. Se não bastasse ser tão legal de se ver, O RETORNO DE RINGO ainda tem uma puta cena passada na antiga casa do protagonista onde há um inesperado encontro e a música-tema de Morricone em versão instrumental vai às alturas!! Só por ela já vale a pena conhecer esta bela obra de Duccio Tessari.

quarta-feira, setembro 13, 2006

TRASH NEWS

Não poderia deixar de divulgar aos amigos e leitores do blog essa notícia pra lá de insana enviada pelo amigo Fernando Vasconcelos. O pornô brasileiro agora pode ser realmente considerado decadente.

Notícia literalmente Fucking Trash

"Depois de Alexandre Frota, Rita Cadillac e Matheus Carrieri, chegou a vez de Gretchen fazer o seu primeiro filme pornô. A cantora assinou contrato com a produtora Brasileirinhas e em novembro lança a produção La Conga Sex.

Embora o filme esteja confirmado, ainda não foram divulgadas informações oficiais
sobre as cenas que Gretchen protagoniza e qual foi o valor do contrato. La Conga Sex é aguardado como um dos maiores sucessos da produtora. Ao lado de A 1ª Vez de Rita Cadillac, o pornô deve bater recordes de vendas e locação. Além de Gretchen, comenta-se que a Brasileirinhas está de olho em Regininha Poltergeist (capa de TRIP, PLAYBOY, SEXY e 'musa' de Fausto Fawcett) para um futuro contrato com a produtora.

TRIVIA: o Brasil é o único país do mundo onde celebridades da mídia
oficial (embora do escalão pra lá de decadente e trash) fazem carreira em filme pornô
e continuam no mercado mainstream de TV. E, ao contrário dos EUA, aqui macho (!??!) também vira estrela pornô fora do mercado gay. Frota e Carrieri, veteranos de Rede Globo, SBT e G Magazine (nessa ordem eh eh eh) fizeram nome no pornô hetero brasileiro. Esse nosso Brasilzão é mesmo uma onda! eh eh eh"

domingo, setembro 10, 2006

TRAGAM-ME A CABEÇA DE ALFREDO GARCIA (Bring Me the Head of Alfredo Garcia, 1974)


Um poderoso fazendeiro (Emilio Fernandez, de MEU ÓDIO SERÁ A SUA HERANÇA) força a sua filha grávida a dizer o nome do pai da criança sob tortura. Furioso ao saber quem é o responsável, ele faz um anúncio na presença de vários visitantes: TRAGAM-ME A CABEÇA DE ALFREDO GARCIA. O protagonista Benny (Warren Oates) é um perdedor que está faturando uns trocados para se sustentar tocando piano num pequeno bar do México. Numa das muitas noitadas daquele local, ele entra em contato com dois homens misteriosos (Gig Young e Robert Webber) atrás de maiores informações sobre o paradeiro do procurado. Nosso anti-herói acaba indo ao escritório dos chefes da dupla e aceita a proposta de 10.000 dólares para partir em busca da valiosa cabeça. Junto com a namorada Elita (Isela Veiga), ex-companheira de Alfredo Garcia, já morto e enterrado, Benny enfrentará uma viagem inteiramente marcada pela violência e ganância do ser humano.

Essa é a trama deste verdadeiro clássico do cinema dos anos 70 dirigido pelo excelentíssimo senhor Sam Peckinpah. Minha nossa, que filme!! Fiquei grudado na cadeira, sem querer perder nenhuma cena e nenhum mínimo detalhe da jornada de Benny atrás da cabeça do infeliz sujeito que tem seu nome no título. Trata-se de uma obra-prima que continua (e continuará sendo) bastante influenciadora pelo seu notável clima estranho e melancólico. Enquanto o assistia, me lembrava do belíssimo OS TRÊS ENTERROS DE MELQUIADES ESTRADA diversas vezes.

Warren Oates está perfeito na pele de Benny, um pobre homem que vai perdendo a razão progressivamente durante o trajeto da viagem. Os vários momentos onde ele tenta convencer a Elita de que Alfredo Garcia não se importaria de ter o seu túmulo violado e ser decepado logo em seguida para a felicidade dela chegam a ser divertidos de tão absurdos. Oates também protagoniza as fantásticas cenas da complicada relação de Benny com a cabeça de Alfredo Garcia. Simplesmente, não há cinéfilo que as deixe de carregar para sempre na sua memória.


Eu agora me junto ao coro e digo que Peckinpah nunca foi tão Peckinpah em TRAGAM-ME A CABEÇA DE ALFREDO GARCIA. Além dele ter sido o único filme onde esse grande cineasta teve completo domínio da edição final, Benny pode ser visto como um dos personagens mais auto-biográficos já escritos. É conhecido que o próprio Oates se baseou em Peckinpah para compor a sua atuação, pegando até os óculos escuros do diretor emprestado. Complementando tudo, temos ainda uma trilha sonora irrepreensível de Jerry Fielding e a participação especial de Kris Kristofferson como um dos motoqueiros que aparecem para incomodar o casal de protagonistas.

Feio e bonito ao mesmo tempo, ALFREDO GARCIA acabou virando um dos meus filmes favoritos. E amei a última imagem, que mostra uma metralhadora disparando. Quando os disparos se encerram, aparece "Directed by Sam Peckinpah" abaixo do cano e no lado esquerdo da tela. Lindo... lindo... lindo...


Agradecimentos especiais a Fernando Vasconcelos e Kleber Mendonça Filho.

quarta-feira, setembro 06, 2006

segunda-feira, setembro 04, 2006

A CONTA-GOTAS

O camarada e realizador Daniel Aragão produziu um curta-metragem no final do ano passado que achei muito bacana intitulado A CONTA-GOTAS. Sua estréia oficial se deu no festival de curtas de Hamburgo em maio deste ano. Tive a oportunidade de assistí-lo pouco depois da sua conclusão numa exibição especial de curtas pernambucanos no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco feita no final de novembro de 2005.

Infelizmente, a produção foi ignorada em diversos festivais e pouca gente teve o prazer de conferir esta homenagem ao cinema exploitation dos anos 60 e 70. Portanto, estou aqui dando uma força para Daniel e deixando um link para o meu estimado visitante poder assistir A CONTA-GOTAS:

Download direto

Rápida descrição do filme pelo próprio Daniel: "Um curta-metragem com John Oates, hehe. Para todos vocês que curtem Jess Franco , Russ Meyer , George Romero , Soledad Miranda , Polanski , Euro Trash..."

Tá em casa, não é?? :)

NOTA: O post foi editado, pois o vídeo no YouTube está incompleto.

sábado, setembro 02, 2006

13 BADALADAS (Trece Campanadas, 2002)


Se a Ocean Pictures continuar lançando filmes de boa qualidade como esse, ela ganhará mais respeito da minha parte. Conhecida por fãs de faroeste italiano pelos lançamentos mensais de títulos do estilo, a Ocean agora está investindo também em produções estrangeiras recentes, sem deixar algumas bombas do quilate de ANUBIS, SWAT 2 (!!!!) e VAMPIROS ASSASSINOS de lado.

Eu peguei esta produção espanhola de 2002 apenas com a intenção de assistir a um filme bem feito e de trama interessante. Talvez por tê-lo assistido sem tanta exigência, acabei achando ele acima da média. 13 BADALADAS fala sobre Jacobo (Juan Diego Botto), um jovem escultor que retorna a Santiago de Compostela, sua cidade natal, por causa do delicado estado saúde de sua mãe. Pouco demora para ele começar a ser atormentado pelo fantasma do pai (Luis Tosar), morto violentamente há 20 anos, que o pede para continuar um trabalho devido ao seu falecimento.

É uma pena que o filme seja prejudicado por uma fragilidade do roteiro. Toda a história é acompanhada por dois pontos de vista: o de Jacobo e o de Maria, amiga de infância que passa a ter um interesse amoroso pelo rapaz. Isso faz com que qualquer um já mate de cara o questionamento principal do filme pouco tempo depois de algumas cenas intensas.

A violência física aqui é mínima e o longa-metragem acaba sendo um drama com elementos psicológicos e sobrenaturais que utiliza artifícios do cinema de suspense para chamar a atenção do espectador. E consegue, graças ao bom diretor Xavier Villaverde e atuações do elenco praticamente desconhecido pelos espectadores brasileiros. Juan Diego Botto tem apenas um bom desempenho como o protagonista, mas não devemos exigir tanto dele pelo fato do personagem não ser fácil de se interpretar. Infelizmente, há momentos que o jovem ator tende ao "overacting". Agora posso dizer sem medo de ser feliz que a ótima atuação de Luis Tosar como o pai de Jacobo é simplesmente a alma de 13 BADALADAS. Nunca tinha ouvido falar deste talentosíssimo ator antes e ainda bem que ele agora está recebendo projeção internacional na versão cinematográfica de MIAMI VICE, dirigida por Michael Mann. A música e a fotografia também são destaques do filme.

segunda-feira, agosto 28, 2006

RED LINES

Dois curtas feitos por Frazer Lee e protagonizados pelo grande Doug "Pinhead" Bradley podem ser assistidos no YouTube. Ambos receberam premiações diversas e são bem cotados pelos fãs de terror. Em todo caso, resolvi postá-los por acreditar que eles merecem divulgação.

RED LINES:



"Red Lines gave me the total creeps and the creeps is essential to horror. I mean, if you don't have the creeps you don't jump - there's nothing to be afraid of. So, I mean, it was like - my legs tightened up and the muscles in my back tightened up because I was totally in a conundrum and it blew me away. This guy's a great director, he knows how to do it guys."
(Tobe Hooper, director of Texas Chainsaw Massacre & Poltergeist)

Comentário do editor: RED LINES é mais outra prova de que a falta de um grande orçamento não acaba sendo nenhum impecilho para fazer um bom curta-metragem. Fiquei até surpreso e feliz por ver Doug Bradley numa pequena produção como esta. Feito em apenas um mês, o filme dura 6 minutos e fala sobre uma detenção escolar aparentemente comum, mas que se revela nada agradável no seu decorrer.

Kirsty Levett mostra talento como a azarada aluna, que é um papel difícil por não possuir nenhum diálogo e Doug Bradley tem presença mesmo sem a famosa maquiagem do Pinhead. O curta é muito bem filmado, editado e dirigido, portanto vale a pena conferir e indicar. Infelizmente, pela tela pequena do YouTube não dá para se envolver como alguém que está assistindo ao filme num festival, caso óbvio de Hooper. Como este famoso diretor declarou, Frazer Lee tem futuro e já estou mais ansioso por URBANE, o seu primeiro longa-metragem onde Bradley e Robert Englund darão vida aos personagens principais e a trilha sonora ficará a cargo do excelente Claudio Simonetti.

ON THE EDGE - PARTE 1

ON THE EDGE - PARTE 2

quinta-feira, agosto 24, 2006

Eu adoro a The Asylum!


Na melhor tradição dos produtores picaretas italianos dos anos 80 e americanos como Roger Corman, Andrew Stevens e Damian Lee, eis que chega a THE ASYLUM. Trata-se de uma produtora especializada em produções de baixo orçamento que sem querer querendo acabou ficando famosa. Uma das mais comentadas dela é KING OF THE ANTS (lançado como TRATAMENTO DE CHOQUE pela Casablanca), filme dirigido por Stuart Gordon com Chris McKenna, George Wendt, Daniel Baldwin e Kari Wuhrer. Tudo começou quando David Michael Latt (o cabeça da ASYLUM) resolveu fazer uma adaptação de GUERRA DOS MUNDOS em 2005, já que este famoso livro de H. G. WELLS hoje se encontra em domínio público.

Simplesmente, a THE ASYLUM faturou uma puta grana legal lançando o filme nas locadoras um dia antes de GUERRA DOS MUNDOS de Steven Spielberg entrar em cartaz nos cinemas. Acredite se quiser, mas muita gente prefere este filme B do que a milionária produção de Spielberg. Eu provavelmente farei parte deste grupo quando o assistir e consegui uma cópia de PIRATES OF TREASURE ISLAND com o grande Lance Henriksen como Long John Silver. Deve ser uma maravilha, tem até inseto gigante na abertura!! Nem SERPENTES A BORDO (Snakes on a Plane) escapou, a turma da ASYLUM lançou SNAKES ON A TRAIN nas locadoras americanas três dias antes do esperado blockbuster classe B ir para as telonas.

Fiquem com os links para conferir o site oficial e ler uma matéria publicada pelo New York Post sobre os "mockbusters", onde a THE ASYLUM tem destaque. Pelo que sei, apenas BLOODY BILL, DETOUR, KING OF THE ANTS, KING OF THE LOST WORLD (que recebeu o título de KING - O REI DA SELVA da distribuidora California) são os únicos filmes da produtora lançados no Brasil.

Site oficial

Matéria "mockbusters" do NY Post

Agradecimentos ao camarada Eduardo Buss pela montagem das capinhas.

terça-feira, agosto 22, 2006

Samuel L. Jackson: O Sr. das Serpentes


Que beleza de posters, não?

Além de estrelar o aguardado SERPENTES A BORDO (Snakes on a Plane), filme B assumido de grande orçamento, Samuel L. Jackson também é protagonista de BLACK SNAKE MOAN, novo filme de Craig Brewer, diretor de RITMO DE UM SONHO (Hustle and Flow). A história se concentra numa ninfomaníaca branca, de passado conturbado, que tenta curar a sua "doença" com a ajuda de um bluesman negro mais experiente. Christina Ricci (Igual a tudo na vida), loirinha e magrinha, faz o par com Samuel L. Jackson (Star Wars).

John Singleton (Os donos da rua, Shaft 2000), famoso por dirigir filmes com temática racial, produz o longa ao lado de Stephanie Allain. Há algum tempo, a co-produtora comentou ao BlackFilm.com: "Onde Ritmo de um sonho é realmente sobre a noção de ter coragem de criar, Black Snake Moan é sobre ter a coragem de se relacionar com alguém".

O filme estréia nos EUA em 16 de fevereiro de 2007.

Fonte: www.omelete.com.br

Já que falei de SERPENTES A BORDO, confiram abaixo um divertido poster feito por um fã. Clique na imagem para aumentar a resolução dela no seu monitor.


Comentário de Ary Monteiro Jr. sobre o filme no orkut: "Porra o filme foi um fracasso de bilheteria mas quem assitiu disse que foi a melhor experiência cinematográfica do ano com platéias cheias de empolgação fazendo uma zona enorme no filme, jogando cobras de borracha na tela, batendo palmas de pé, gritando nas cenas de terror (dizem que o gore é bacana) e repetindo a fala "I had it with this motherfucking snakes in this motherfucking plane!" É o novo Rocky Horror."

domingo, agosto 13, 2006

MAIS CINEMA ASIÁTICO EM DVD














O meu amigo Titara Barros me recomendou dois filmes lançados pela obscura Oregon Films em seu comentário no último post. Resolvi destacá-los por acreditar que eles são merecedores de mais divulgação. Quando ele respondeu meu scrap no Orkut, soube que um deles era um filme sobre a Yakuza dirigido pelo Takashi Miike (de AUDITION e ICHI THE KILLER) intitulado CENA MAFIOSA, cuja segunda parte foi lançada pela mesma distribuidora. Estou ansioso para ver!! Sinopses de divulgação abaixo:

Cena Mafiosa (Family): As entranhas da Yakuza, a máfia japonesa, estão expostas em carne viva neste sangrento thriller dirigido por Takashi Miike. Muita ação, intriga, belas mulheres e tráfico de entorpecentes transformam Cena Mafiosa num épico sobre essa que é uma das máfias mais temíveis e inescrupulosas do planeta, da qual até Al Capone, se japonês fôsse, se orgulharia de fazer parte!

Cena Mafiosa 2 (Family – Part 2): Uma sangrenta produção policial, uma versão nipônica da saga de Dom Corleone, Cena Mafiosa 2 retoma a história do primeiro filme, para revelar a identidade do assassino de um poderoso da máfia, o chefe Mitsumikai. Mas como nem tudo é o que parece, outro mafioso, Hideshi, inicia uma investigação pessoal que pode revelar intrigas que o próprio Al Capone tremeria na base.














O outro filme é VENCER PARA VIVER que também teve sua continuação dirigida pelo diretor Takeshi Miyasaka e lançada pela Oregon Films. Não achei nada sobre os dois no iMDB. Sinopses de divulgação abaixo:

Vencer para Viver (Yanagawa Gumi): Um sujeito ensangüentado da cabeça aos pés está numa praia, aos prantos, quando diz para si mesmo:"esta é a última vez que choro". É assim, jogando o espectador já de cara no clima sombrio que persistirá por toda a trama, a abertura de Vencer para Viver, filme de inspiração tarantinesca dirigido por Takeshi Miyasaka. Narrado em flahback, o filme refaz a trajetória de Jiro Yanagawa, um coreano que se tornou um ás da cena mafiosa japonesa dos anos 50. Mexido em seus brios, Yanagawa se nega a retornar à terra-natal, mesmo depois de dar e tomar muita porrada da polícia. A motivação do bandido: vencer para viver.

Vencer para Viver 2 (Yanagawa Gumi 2): Poucas coisas nesta vida inquietam mais um homem do que seu orgulho ferido. E em se tratando do homem japonês, conhecido por cumprir com rigor seus códigos de ética, traições não são perdoáveis, e a vingança, ainda que demore, vai acontecer. Pois é de acerto de contas que trata esse thriller japonês, que volta a trazer a figura mística de Jiro Yanagawa, lutador coreano que fez fama no Japão, é chegada a hora de um sanguinário revival entre tropas inimigas. O filme é baseado numa história real.

"São dois filmes do caralho!!"

- Titara Barros

quinta-feira, agosto 10, 2006

NOITE E NEBLINA em DVD

Sei que fui um pouco atrasado mais uma vez, mas não poderia deixar de linkar aqui a ótima matéria de autoria do meu amigo Luiz Joaquim sobre o lançamento do DVD de NOITE E NEBLINA. O famoso e impactante curta-metragem de Alain Resnais recebeu um belíssimo tratamento da distribuidora recifense Aurora DVD. Esse pessoal me deixa com cada vez mais orgulho de ser pernambucano.

Clique aqui para ler a matéria

Confira a ficha do filme no site da AURORA DVD

Um belo motivo para assistir novas bagaceiras cinematográficas...


Mircea Monroe

Clique na imagem desta futura Scream Queen para conferir mais dos seus atributos artísticos (hehe) no BoizeBlog, do companheiro Eduardo Buss.

domingo, agosto 06, 2006

Erotikill e Van Damme

Não sei se algum leitor do blog desconhece que colaboro para um querido site de cinema intitulado Erotikill. Ele foi batizado em homenagem a FEMALE VAMPIRE, um dos clássicos do Jess Franco que também é conhecido como EROTIKILL, onde uma vampira interpretada pela sua esposa Lina Romay suga outra coisa ao invés de pescoços. Deu para entender, não é? hehehe.

O site teve atualização no último dia 01, com três resenhas de minha autoria. Tirando o despretensioso BLAST!, uma das produções mais recentes de Anthony Hickox, os outros podem ser considerados muito especiais. Eles são OS 4 DO APOCALIPSE e TEMPO DE MASSACRE, nada mais nada menos do que dois faroestes italianos dirigidos pelo mestre Lucio Fulci. O link do site pode ser visto no lado direito da tela do seu navegador.

BLAST!

TEMPO DE MASSACRE

OS 4 DO APOCALIPSE

Achei este vídeo tronxo no You Tube mostrando a primeira aparição cinematográfica de Jean-Claude Van Damme. É um trecho do filme MONACO FOREVER, onde o futuro astro das artes marciais interpreta um lutador de karatê gay. Só vendo para crer...

CINEMA CLASSE B RECENTE

Como muitos devem saber, curto uma boa tralha sempre que possível para "aliviar" um pouco o cérebro dos filmes autorais e "cabeça" que ando assistindo. Sinceramente, não consigo passar um mês sem ver uma divertida bagaceira com o propósito de relaxar e dar umas risadinhas. Vários exemplares do cinema B e Trash funcionam melhor do que muita comédia para mim. Devido a esse meu assumido mal gosto, me decepciono várias vezes com alguns e com outros me vejo sorrindo como um garotinho que acabou de ganhar um doce. Neste post, farei uma rápida revisada em alguns títulos assistidos recentemente.

PTERODACTYL - A AMEAÇA JURÁSSICA (Pterodactyl, 2005): Esse daqui é dirigido pelo casca grossa Mark L. Lester, que nos seus melhores dias realizou os crássicos COMANDO PARA MATAR e OS DONOS DO AMANHÃ e os praticamente desconhecidos JUSTIÇA EXTREMA e SÁDICA PERSEGUIÇÃO estrelados por Scott Glenn. Produzido em associação com o canal televisivo americano SCI-FI, fato que garante estréia na programação, o filme é uma violenta e eficiente diversão B. Quando pegamos a capinha do DVD e lemos a trama pra lá de besta do longa, estranhamos um pouco a censura 18 anos.


A sangreira rola mesmo solta, com decepações e mutilações diversas. O filme pode ser resumido em Coolio (que parece disputar o posto de rapper metido a ator mais tosco do cinema B americano com Ice-T, veja montagem acima) fazendo cara de mau e o restante do elenco lutando para sobreviver dos ataques de um bando de pterodátilos de CGI. O roteiro é muito simplório, cheio de personagens estereotipados, daqueles que todos nós já sabemos quem ou não irá morrer. Ainda temos de aturar um climinha de romance entre um casal aguadinho que só. Vale mais para os afeitos e ver (como foi meu caso hehe) tomando uma biritinha e comendo pipoca. Bobo, direto e divertido, como qualquer filmeco B de criaturas deve ser. Fã de terror e ficção, preste atenção nos sobrenomes dos personagens, que prestam uma homenagem a famosos e influentes autores literários.

Link para a resenha no Erotikill do meu amigo Carlos Afonso: Clique Aqui


CIDADE DO CRIME (Water's Edge, 2003): Tá aí um filme daqueles que enquanto a gente assiste, já pensamos no SuperCine da Rede Globo. Confesso que só peguei ele por causa da gatinha Emmanuelle Vaugier. É mais uma daquelas historinhas de gente da capital que chega numa cidade aparentemente pacata do interior e se mete em encrenca. Nem Vaugier e Daniel Baldwin, que mesmo quando detona na canastrice sai perdendo para o irmão Stephen, ajudam o bastante. Se tivesse apenas um elenco melhor e um pouco mais de empenho na direção, estaria acima da média. Como isso não acontece, resta apenas um filme razoável e sem maiores atrativos.


ARMADILHA DE FOGO (Firefight, 2003): Falando nos Baldwin, acabei dando uma chance a este filme produzido pelo meu querido Roger Corman onde Stephen Baldwin tira onda de bandido. É um daqueles "direct-to-video" padrão que usam imagens de incêndios reais (e de outros filmes, com certeza) para economizar no orçamento. Ele fala sobre um bombeiro que arquiteta um assalto a um carro-forte pensando em pagar as contas do seu pequeno restaurante que está quase falindo. O plano é utilizar um incêndio controlado na floresta local enquanto eles entram em ação. Tudo corre muito bem até que uma gatinha integrante no esquema conta tudo, por livre e espontânea pressão, para o agressivo namorado. O mala, portanto, chama seus coleguinhas para roubar todo o dinheiro do grupo. Se isso não fosse o bastante, o fogo escapa do controle e ocasiona um furioso incêndio que toma conta da floresta durante o desenrolar do roubo. ARMADILHA DE FOGO é daqueles filmes que assistimos quando não temos absolutamente nada melhor para fazer. Embora previsível, passa o tempo numa boa e Stephen Baldwin solta a franga em uma de suas piores atuações. Acredito que nem naquele SNAKEMAN ele esteja tão ruim. O elenco conta com Steve Bacic e Nick Mancuso como protagonistas.


ÁGUIA 1 - O RESGATE: Outra produção do Roger Corman. Com Mark Dacascos, Theresa Randle e participação especial de Rutger Hauer, o longa-metragem vale mais pelos aspectos técnicos do que pelo seu conteúdo. Como alguns devem saber, os filmes de Corman possuem orçamentos bem limitados e este daqui - numa decisão muito acertada - foi inteiramente filmado em câmeras HD. Ele tinha tudo para ser bom, porém acaba sendo um medíocre filme de guerra. As duas piores coisas para qualquer exemplar do gênero são a falta de realismo e cenas de batalha que deixam o espectador entediado. ÁGUIA 1 - O RESGATE tem os dois. Para piorar, o filme evita violência gráfica e Hauer e Randle não convencem como militares. Enquanto o veterano fala com os outros atores como se estivesse na cozinha de sua casa, a bonita atriz negra de GAROTA 6 parece estar desconfortável quando empunha uma arma. Já Mark Dacascos é esforçado e tem o melhor desempenho.